SALSIFI INVESTMENTS
   VOTORANTIM

NOVO DIRETOR


A VOTORANTIM METAIS tem novo diretor superintendente.

É Tito Martins que deixou em meados de julho a diretoria da Vale.

Ele assume com a incumbência de tocar o maior projeto de alumínio do grupo

na região do Pará.



Escrito por SALSFI às 07h34
[] [envie esta mensagem]


 
  


SUSPEIÇÃO


Salvador Sícoli Filho – 1º/08/12


O julgamento se avizinha e um fato passa incólume. A não arguição de suspeição de ministro com ligações especiais com réus.


É absolutamente imprescindível que, a exemplo do caso Collor, o juiz ligado umbilicalmente a uma parte do processo ou se afaste, ou que seja afastado caso não se digne a deixar a hipocrisia de lado.


Espera-se menos poesia do Supremo e mais rigor na apuração do mais escandaloso caso de corrupção de políticos da história brasileira.


A opinião pública pensante do país não pode se vergar a episódios deprimentes flagrados e divulgados à exaustão na época e que, a complacente atitude protelatória de dirigentes desprovidos de qualificação moral tentou  durante esses longos anos empurrar para embaixo do tapete.

Sem esta singela e necessária providência estará aí sim comprometido o processo.

 



Escrito por SALSFI às 07h25
[] [envie esta mensagem]


 
  

O que o BCE deve e não deve fazer

Por Martin Feldstein

As recentes declarações do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, e de um dos membros do conselho administrativo da instituição, Ewald Nowotny, reabriram o debate sobre quais os limites desejáveis para suas políticas. A questão não é apenas a autoridade legal do BCE sob o Tratado de Maastricht, mas a conveniência de tais medidas alternativas.

Nowotny, presidente do Banco Nacional da Áustria, indicou que o Mecanismo de Estabilidade Europeu (ESM) poderia (se a Corte Constitucional alemã permitir que venha a existir) receber uma licença bancária, o que lhe permitiria captar recursos do BCE e aumentar amplamente sua capacidade para comprar bônus soberanos da região do euro. Draghi, posteriormente, declarou que o BCE pode e vai fazer tudo o que for necessário para evitar que os altos prêmios de risco soberano "atrapalhem o funcionamento da política monetária".

O comentário de Draghi repete a lógica usada por seu antecessor, Jean-Claude Trichet, para justificar as compras de títulos de dívidas soberanas da região do euro pelo BCE. Não é de surpreender que suas declarações tenham sido interpretadas como sinal de que o BCE vai voltar a comprar bônus dos governos espanhol e italiano sob o Programa dos Mercados de Títulos (SMP, na sigla em inglês), como já o fez neste ano. Embora as compras anteriores, superiores a € 200 bilhões, não tenham mostrado efeito duradouro sobre os prêmios de risco desses países, a suposição é que desta vez o volume poderia ser muito maior. É isso, no entanto, que o BCE deveria fazer?

Concentrar as possíveis compras do banco em títulos de dívida soberana dos países com altas taxas de juros teria graves efeitos adversos. Reduziria a pressão sobre os países com juros elevados para que concretizem as difíceis decisões políticas necessárias

Embora qualquer banco central tenha de ser capaz de realizar operações no mercado aberto para administrar a liquidez nos mercados financeiros, compras seletivas de bônus de países específicos, cujas altas taxas de juros decorrem de extravagâncias fiscais atuais e passadas, são desnecessárias e perigosas. Uma melhor diretriz para o BCE seria realizar operações no mercado aberto comprando e vendendo bônus soberanos de uma "cesta neutra" de bônus soberanos, com a parte de cada país na cesta sendo definida por sua participação no capital do BCE.

Essa abordagem da "cesta neutra" permitiria que o BCE comprasse volumes substanciais de bônus espanhóis e italianos, mas também adquirisse quantias ainda maiores de bônus alemães e franceses. As compras de bônus do BCE passariam a ser tão parecidas com as operações do mercado aberto do Federal Reserve (Fed, autoridade monetária dos Estados Unidos) e do Banco da Inglaterra quanto possível na ausência de um governo soberano único na região do euro.

Em contraste, concentrar as possíveis compras do BCE em títulos de dívidas soberanas dos países com altas taxas de juros teria graves efeitos adversos. Reduziria a pressão sobre os governos da Itália, Espanha e outros países com altas taxas para que concretizem as difíceis decisões políticas necessárias para reduzir os déficits fiscais no longo prazo. A Espanha precisa exercer maior controle sobre os orçamentos de seus governos regionais, enquanto a Itália precisa encolher o tamanho de seu setor público. Uma política do BCE que reduza artificialmente seus custos soberanos de captação tornaria essas medidas politicamente ainda mais difíceis.

De fato, quando o BCE controla as taxas de juros dos bônus de longo prazo, é difícil que líderes políticos, parlamentos e eleitores saibam se alcançaram alguma melhora fiscal significativa. Os países periféricos à região do euro ficaram muito endividados nos últimos dez anos porque o mercado de bônus não sinalizou que as dívidas eram grandes demais. Agora, isso acabou, porque os investidores de bônus não tratam mais os títulos soberanos da região do euro como iguais. Um programa do BCE para limitar os diferenciais das taxas de juros eliminaria essa importante sinalização.

 

Além disso, como o BCE não pode simplesmente comprar bônus soberanos sem levar em conta as políticas fiscais de cada governo, a autoridade monetária corre o risco de encontrar-se na posição politicamente perigosa de decidir se as medidas fiscais de um país são rigorosas o suficiente para ser recompensadas com taxas de juros menores. O BCE, portanto, cruzaria o limite entre política monetária e política fiscal. Será que colocaria um teto comum sobre as taxas de juros dos governos com "bom desempenho", como o primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, sugeriu há não muito tempo? Ou iria determinar e revisar as taxas de juros soberanas de acordo com sua avaliação atual dos esforços fiscais de cada país?

Por fim, a Alemanha pode não continuar a aceitar os riscos de inadimplência decorrentes de grandes compras de bônus soberanos de alto risco pelo BCE. A Alemanha já enfrenta altos ricos financeiros, relacionados ao balanço patrimonial do BCE e aos balanços do sistema de pagamentos interbancários Target2 no Bundesbank, gerados pelos fluxos internacionais de depósitos em direção aos bancos comerciais alemães.

Embora os líderes políticos alemães agora declarem sua lealdade à região do euro, pesquisas de opinião pública na Alemanha mostram que o apoio ao euro está bastante fraco. À medida que os riscos se acumulam, não é inconcebível que a Alemanha possa concluir que, apesar do impacto potencial sobre sua taxa de câmbio, seria melhor voltar ao marco alemão.

Por todos esses motivos, compras diretas de bônus soberanos de alto rendimento pelo BCE como forma de limitar essas taxas seria um erro. Também seria um erro fazê-lo de forma indireta, com outro programa de refinanciamento de longo prazo de €1 trilhão voltado a encorajar os bancos comerciais a comprar esses títulos. E seria um erro permitir que o ESM tenha uma licença bancária para que possa captar recursos do BCE e aumentar grandemente suas compras de bônus de países periféricos.

Cada governo deveria tomar as duras medidas políticas necessárias para reduzir o risco de desmembramento da região do euro, uma ruptura que teria custos financeiros muito significativos para todos - e não apenas para os países-membros. Infelizmente, as recentes declarações de autoridades do BCE podem ter reduzido as pressões sobre os governos para que adotem tais medidas. E, ao reverter o declínio no valor do euro, podem ter impedido a reação dos mercados, que é necessária para encolher os desequilíbrios em conta corrente e impulsionar o Produto Interno Bruto (PIB) da região. Cedo ou tarde, o BCE terá que esclarecer os limites de suas políticas. (Tradução de Sabino Ahumada)

Martin Feldstein é professor de economia em Harvard, foi presidente do conselho de assessores econômicos do presidente americano Ronald Reagan e do Gabinete Nacional de Análises Econômicas dos EUA. Copyright: Project Syndicate, 2012.

www.project-syndicate.org



© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico. 

Leia mais em:

http://www.valor.com.br/opiniao/2770432/o-que-o-bce-deve-e-nao-deve-fazer#ixzz22HxEH5qo



Escrito por SALSFI às 07h23
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO
 11/09/2016 a 17/09/2016
 06/09/2015 a 12/09/2015
 18/01/2015 a 24/01/2015
 09/11/2014 a 15/11/2014
 26/10/2014 a 01/11/2014
 15/06/2014 a 21/06/2014
 06/04/2014 a 12/04/2014
 02/02/2014 a 08/02/2014
 13/10/2013 a 19/10/2013
 12/05/2013 a 18/05/2013
 21/04/2013 a 27/04/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 10/02/2013 a 16/02/2013
 25/11/2012 a 01/12/2012
 29/07/2012 a 04/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 29/01/2012 a 04/02/2012
 11/09/2011 a 17/09/2011
 04/09/2011 a 10/09/2011
 28/08/2011 a 03/09/2011
 24/07/2011 a 30/07/2011
 10/07/2011 a 16/07/2011
 03/07/2011 a 09/07/2011
 29/05/2011 a 04/06/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 27/03/2011 a 02/04/2011
 13/03/2011 a 19/03/2011
 06/03/2011 a 12/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 19/12/2010 a 25/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 04/07/2010 a 10/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 11/04/2010 a 17/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 28/03/2010 a 03/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 22/11/2009 a 28/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 22/03/2009 a 28/03/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 22/02/2009 a 28/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 16/07/2006 a 22/07/2006
 25/06/2006 a 01/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 19/06/2005 a 25/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005
 23/01/2005 a 29/01/2005
 16/01/2005 a 22/01/2005
 19/12/2004 a 25/12/2004
 28/11/2004 a 04/12/2004
 21/11/2004 a 27/11/2004
 14/11/2004 a 20/11/2004
 07/11/2004 a 13/11/2004
 31/10/2004 a 06/11/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004



OUTROS SITES
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 ARTIGOS ECONÔMICOS
 CRÔNICAS E ARTIGOS


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!