SALSIFI INVESTMENTS
   VALE reajusta minério trimestralmente



Escrito por SALSFI às 21h15
[] [envie esta mensagem]


 
   Depoimento de Jarbas Passarinho

 

 

Depoimento: Jarbas Passarinho, ex-ministro de Médici, dá sua visão da ditadura e sugere uma nova forma de compreender seus protagonistas.

Uma história sem inocentes



Maria Inês Nassif e Paula Simas, de Brasília
01/04/2010

 

O aniversário de 46 anos do golpe de 1964, neste 31 de março de 2010, encontra o coronel da reserva, ex-ministro e ex-senador Jarbas Passarinho com 90 anos. Mesmo debilitado por um longo período de doença - uma septicemia que se seguiu a uma pneumonia valeu a ele uma estada na UTI e três momentos em que a morte quase bateu à porta -, Passarinho mantém uma surpreendente lucidez. Retoma quase do mesmo ponto uma conversa que teve com as repórteres oito anos atrás, quando expôs seu grande incômodo pela maneira como a história enxerga os governos dos generais-presidentes Costa e Silva (1967-1969), Emílio Garrastazu Médici (1969-1974) e Ernesto Geisel (1974-1978).

Para a história, segundo ele, os dois primeiros (aos quais serviu como ministro) ficaram como governos duros - como se as atitudes tomadas por ambos decorressem de uma vontade pessoal ou do espírito antidemocrático dos dois. Do último ficou a impressão de que era alguém com grande espírito democrático - e que, dessa forma, se contrapunha aos dois governos anteriores. O ex-ministro praticamente sugere uma inversão da maneira como a história deve ver cada um desses personagens.

Passarinho propõe uma releitura que, se não consegue atenuar o conteúdo das decisões dos presidentes Costa e Silva e Médici que foram interpretadas pela história como antidemocráticas, de outro recoloca Geisel na história como um presidente particularmente duro. Para o ex-senador, Costa e Silva foi o responsável pelo AI-5, embora a decretação do ato tenha ocorrido por pressão militar, não pela convicção pessoal daquele presidente; da decisão de Médici de dar autonomia ao aparelho de repressão decorreram o descontrole e a tortura generalizada, embora tivesse deixado claro antes a seus auxiliares que não concordava com a tortura. Mas, segundo Passarinho, no governo Geisel houve política de Estado de extermínio de adversários quando os militares já haviam feito, na gestão anterior, a limpeza da guerrilha urbana, que era o que efetivamente ameaçava o regime militar.



Escrito por SALSFI às 20h37
[] [envie esta mensagem]


 
   Depoimento de Jarbas PAssarinho

Uma decisão presidencial, a de Geisel, eliminou fisicamente a guerrilha rural que estava isolada e matou vários dirigentes do Partido Comunista Brasileiro (PCB), que nunca pegou em armas contra o regime. "Uma ordem para não fazer prisioneiros só podia vir do presidente da República, de mais ninguém."

Passarinho define as políticas de Estado que endureceram o regime nos governos Costa e Silva e Médici como reações a ações da esquerda armada. O fato de o poder não ter sido entregue aos civis no período pós-Médici, governo que exterminou a guerrilha urbana e entregou ao sucessor a guerrilha rural - do Araguaia - totalmente isolada, foi, para ele, um ato autoritário de Geisel. "Eu tenho a triste impressão de que a guerrilha do Araguaia foi utilizada como pretexto para continuar o regime autoritário", disse, há oito anos.

"Não havia, do meu ponto de vista, a menor razão para continuar um processo autoritário por causa da guerrilha do Araguaia [1969-1975, do PCdoB]. Era um movimento inexpressivo. Ali era uma área que, cercada, poderia resultar até na morte por fome dos guerrilheiros", disse, na primeira entrevista. "Era um grupo de 60 pessoas completamente isolado, rompido com a União Soviética, rompido com a China de Mao Tsé-tung e apenas apoiado pela Albânia, que era o pior país em matéria de PIB da Europa", reiterou.

Foi a convicção de que a luta armada da esquerda não constituía mais nenhum risco ao regime que levou Passarinho, no processo de escolha do sucessor do presidente Médici, a defender a entrega do poder para os civis. "Num dia qualquer de 1973, em janeiro ou fevereiro, procurou-me o meu colega de ministério Costa Cavalcanti [Passarinho era ministro da Educação]. Ele me perguntou: você tem alguma coisa contra o Geisel? Eu falei: olha, não tenho nada contra o Geisel, mas sou a favor de que, quando chegar ao fim do ano de 1973, o presidente Médici entregue o poder aos civis", relatou.

O ex-senador teria defendido, na época, a candidatura de Leitão de Abreu, ministro da Justiça que, na sua opinião, teria sido eleito até pelo voto direto, na esteira da popularidade de Médici. "O Ronaldo Costa Couto entrevistou o nosso famoso presidente, que então era líder sindical, o Lula, em 1989, e o Lula disse que Médici ganharia qualquer eleição que disputasse. Costa Couto perguntou por que e Lula disse: 'Porque na época nós, trabalhadores, escolhíamos o emprego que quiséssemos'."

Na biblioteca de sua casa no Lago Norte, onde está cercado de livros que cita em profusão e de um computador que espera a pronta recuperação do dono para cumprir a sua determinação de escrever sobre a tese de que o AI-5 só ocorreu porque existia a Guerra Fria, Passarinho reitera afirmações passadas. E começa do começo.



Escrito por SALSFI às 20h33
[] [envie esta mensagem]


 
   Depoimento de Jarbas Passarinho

Descreve a história brasileira no período 1964-1985 como uma sucessão de reações, que tinham, de um lado, uma ação revolucionária de esquerda, e de outro, as Forças Armadas exercendo o papel de guardiãs da ordem interna. No primeiro tempo do jogo, um presidente, João Goulart, que queria "dar um golpe de instituir a república sindicalista". O golpe militar, por essa visão, teria sido um contragolpe - uma reação militar a uma ação da esquerda. O segundo tempo foi a decretação do AI-5 por Costa e Silva - numa reunião do Conselho Político do governo da qual Passarinho participou e declarou seu voto favorável ao ato com a frase que ficou famosa, "às favas os meus problemas de consciência", reproduzida posteriormente. Seria, segundo ele, a reação aos grupos de esquerda que se armavam.

Nesse dia de 2010 que chegava claro pela janela de seu escritório, o ex-ministro do Trabalho de Costa e Silva explicava por que os militares pressionaram pela edição do ato institucional que dava aos militares todo o poder discricionário - de fechar o Congresso, intervir no Judiciário, suspender o habeas corpus e editar leis - ao presidente, que também era um general do Exército (e foi imposto ao Congresso numa eleição indireta, por um colégio eleitoral).

"O Costa e Silva não queria nem decretar o estado de sítio, mas ele foi compelido pelos militares a editar o AI-5. O problema é que o estado de sítio mantinha o habeas corpus. O [Carlos] Marighela [da ALN], por exemplo, foi preso e solto 21 dias depois por causa do habeas corpus. Então os militares disseram: se continuar assim, não podemos garantir a manutenção da ordem. Faz-se um esforço para prender um chefe [guerrilheiro] e a Justiça libera, a Constituição libera."



Escrito por SALSFI às 20h29
[] [envie esta mensagem]


 
   Depoimento de Jarbas Passarinho

Foi a convicção de que a luta armada da esquerda não constituía mais nenhum risco ao regime que levou Passarinho, no processo de escolha do sucessor do presidente Médici, a defender a entrega do poder para os civis. "Num dia qualquer de 1973, em janeiro ou fevereiro, procurou-me o meu colega de ministério Costa Cavalcanti [Passarinho era ministro da Educação]. Ele me perguntou: você tem alguma coisa contra o Geisel? Eu falei: olha, não tenho nada contra o Geisel, mas sou a favor de que, quando chegar ao fim do ano de 1973, o presidente Médici entregue o poder aos civis", relatou.

O ex-senador teria defendido, na época, a candidatura de Leitão de Abreu, ministro da Justiça que, na sua opinião, teria sido eleito até pelo voto direto, na esteira da popularidade de Médici. "O Ronaldo Costa Couto entrevistou o nosso famoso presidente, que então era líder sindical, o Lula, em 1989, e o Lula disse que Médici ganharia qualquer eleição que disputasse. Costa Couto perguntou por que e Lula disse: 'Porque na época nós, trabalhadores, escolhíamos o emprego que quiséssemos'."

Na biblioteca de sua casa no Lago Norte, onde está cercado de livros que cita em profusão e de um computador que espera a pronta recuperação do dono para cumprir a sua determinação de escrever sobre a tese de que o AI-5 só ocorreu porque existia a Guerra Fria, Passarinho reitera afirmações passadas. E começa do começo.

Descreve a história brasileira no período 1964-1985 como uma sucessão de reações, que tinham, de um lado, uma ação revolucionária de esquerda, e de outro, as Forças Armadas exercendo o papel de guardiãs da ordem interna. No primeiro tempo do jogo, um presidente, João Goulart, que queria "dar um golpe de instituir a república sindicalista". O golpe militar, por essa visão, teria sido um contragolpe - uma reação militar a uma ação da esquerda. O segundo tempo foi a decretação do AI-5 por Costa e Silva - numa reunião do Conselho Político do governo da qual Passarinho participou e declarou seu voto favorável ao ato com a frase que ficou famosa, "às favas os meus problemas de consciência", reproduzida posteriormente. Seria, segundo ele, a reação aos grupos de esquerda que se armavam.

Nesse dia de 2010 que chegava claro pela janela de seu escritório, o ex-ministro do Trabalho de Costa e Silva explicava por que os militares pressionaram pela edição do ato institucional que dava aos militares todo o poder discricionário - de fechar o Congresso, intervir no Judiciário, suspender o habeas corpus e editar leis - ao presidente, que também era um general do Exército (e foi imposto ao Congresso numa eleição indireta, por um colégio eleitoral).

"O Costa e Silva não queria nem decretar o estado de sítio, mas ele foi compelido pelos militares a editar o AI-5. O problema é que o estado de sítio mantinha o habeas corpus. O [Carlos] Marighela [da ALN], por exemplo, foi preso e solto 21 dias depois por causa do habeas corpus. Então os militares disseram: se continuar assim, não podemos garantir a manutenção da ordem. Faz-se um esforço para prender um chefe [guerrilheiro] e a Justiça libera, a Constituição libera."



Escrito por SALSFI às 20h22
[] [envie esta mensagem]


 
  

Daí por que, diz o coronel da reserva, a proposta mediadora do vice-presidente civil Pedro Aleixo, de decretar o estado de sítio em vez de se tomar a extrema medida de edição do AI-5, não resolvia. "Qualquer medida de restrição das liberdades aplicada pelo governo no estado de sítio e aprovada, naturalmente, pelo Congresso, mantém o habeas corpus." Costa e Silva não chegou a se utilizar do instrumento entre a sua edição, em dezembro de 1968, e a trombose que o levaria ao seu afastamento e à sua morte, em agosto de 1969.

No governo Médici, o movimento reativo teria sido a descentralização da comunidade de informações. E, no fim desse período, admite Passarinho, o extermínio de opositores como política de Estado. Essas duas decisões partiram, segundo o ex-ministro, do recrudescimento da ofensiva da guerrilha urbana. Ao receber um informe do seu chefe da Casa Militar, Orlando Geisel, sobre um jovem major que começava o treinamento no setor de informações do Exército e foi metralhado por um guerrilheiro, Médici disse ao chefe militar: "Mas só os nossos é que morrem?" A decisão de descentralizar as decisões, para que a comunidade de informações tivesse autonomia para reprimir os adversários políticos do regime, teria sido tomada aí, segundo o ex-ministro. No fim do governo, a decisão do extermínio foi de Médici - e mantida pelo chefe de governo posterior, Ernesto Geisel - em função dos sequestros de embaixadores pelos grupos armados de esquerda, para libertar quadros que estavam na prisão.

"Tinha mortes do lado de cá para lutar para destruir uma organização guerrilheira qualquer e, se o chefe de facção era preso, se fazia um sequestro de um embaixador e daí se soltava todo mundo. No meu entender foi uma resposta - eu não tenho nenhuma autoridade moral para dizer isso, eu deduzo - a um tipo de ação guerrilheira. Nunca antes uma ação guerrilheira tinha sequestrado um embaixador. Acredito que a ordem de não deixar prisioneiros tenha sido tomada a partir de ações de guerrilha que o governo não teria como combater."

A decisão de descentralizar as decisões de repressão política, reconhece Passarinho, recrudesceu a tortura. Mas, embora o presidente tenha sido a voz final nessa decisão, haveria atenuantes. "Só se fala no Médici, mas não se fala que o poderoso ministro do Exército na ocasião se chamava Orlando Geisel [irmão de Ernesto], que era duro, da linha dura. O Médici descentralizou as regiões e os comandos passaram a ser autônomos, pois até uma ação chegar ao presidente da República, ao Serviço Nacional de Informações (SNI), demorava muito, dificultava o combate à guerrilha. Então se decidiu que a ação ia ser resolvida dentro da região. Nessa descentralização é que, no meu entender, apareceu um comando paralelo, o comando da chamada Comunidade de Informações", disse, anos atrás.

Eliminar fisicamente adversários seria uma decisão estrita de um presidente da República, segundo Passarinho. Ele reconhece que essa decisão foi tomada no fim do governo Médici - e portanto esse presidente foi parte de uma ofensiva que, entre o seu governo e o seguinte, exterminou centenas de adversários. Mas acha que, no caso de Geisel, as mortes e os desaparecimentos foram mais numerosos e menos justificáveis. "Vocês mesmos [a imprensa] publicaram sobre o Massacre da Lapa [chacina que, em 1976, praticamente dizimou o comitê central do PCdoB que estava reunido numa casa em São Paulo, no bairro da Lapa]. Eles entraram atirando. Quem fez isso? E quem matou o Comitê Central do Partidão? Não foi o Médici, não", afirmou, enfático, o ex-senador. "Isso foi uma política de Estado? É lógico que foi. De quem seria? De quem sairia a ordem para cercar um grupo desses? Era exatamente a chamada Comunidade de Informações que existia nos três ministérios, Marinha, Exército e Aeronáutica. Hoje tenho a impressão de que, se o Geisel tivesse sido presidente antes do Médici, teria mostrado exatamente que o Médici era um anjo."

Na defesa de Médici, Passarinho enumera fatos institucionais e decisões de caráter pessoal. A descentralização das decisões sobre a repressão intensificou a tortura, reconhece, mas isso fugiu ao seu controle. Pessoalmente, era contra, garante seu ex-ministro. E repete um "testemunho pessoal": quando assumiu o Ministério da Educação, Passarinho foi procurado por um sindicalista que levava a ele a denúncia de que uma bancária se encontrava em coma, por causa de choques elétricos que recebera na tortura. Passarinho, depois de investigar a veracidade da acusação, levou-a a Médici.

"Eu levei a denúncia ao presidente e disse a ele: acho que nem o senhor pode passar para a história como um presidente da República que permitiu a tortura nem o seu ministro da Educação. Na hora ele chamou a ordenança e deu ordem para ligar para uma determinada pessoa e disse: 'Quero saber quem foram os responsáveis'. E puniu, transferiu para a fronteira. Vocês podem dizer que foi pouco, devia ter matado, exonerado que fosse, mas puniu!", contou. O ex-senador chamou também, para defender sua argumentação, o testemunho de um livro do ex-chanceler Mário Gibson Barbosa, no qual o diplomata relatou que Médici convocou uma reunião de ministros para dizer que não aceitava a tortura.

Para justificar suas afirmações em relação a Geisel, começa apontando pecados de origem do ex-presidente. "Vejam a diferença entre o italiano e o alemão. Médici, italiano e o Geisel, alemão. O Médici, para assumir o governo, exigiu a volta da eleição direta para governadores de Estado, reduziu o mandato dele para somente quatro anos e procurou pessoas para compor o seu governo que eram consideradas liberais - eu, o [Mário] Andreazza, o Delfim [Neto] e o [Hélio] Beltrão", enumerou Passarinho. "O general Geisel colocou o Congresso em recesso e fez o que o [Paulo] Brossard [senador pelo então MDB do Rio Grande do Sul] chamou de Constituinte do Riacho Fundo [alusão ao sítio que era a residência oficial do presidente no período]. O Médici tinha deixado a eleição direta para governador e voltou a ser indireta; o Médici tinha deixado o mandato de quatro anos para presidente e passou a ser de seis anos, e entregou esse mandato para um general que acabava de ser promovido a quatro estrelas", dizia, há oito anos (esse foi o chamado "Pacote de Abril" de Geisel, que também editou, por AI-5, uma reforma do Judiciário e mudanças na lei eleitoral que favoreciam o regime).

Geisel foi uma opção de sucessão que não agradou a Médici, segundo Passarinho. "Ele não tinha simpatia pelo Geisel porque não suportava o [general] Golbery [do Couto e Silva]. O Golbery fundou o SNI [Serviço Nacional de Informações] e em seguida, no governo Costa e Silva, o Médici assumiu. Quando Médici chegou lá para passar o serviço, as gavetas estavam vazias, porque o Golbery tinha levado todos os arquivos", relatou. "O Médici não queria que Geisel o sucedesse porque temia que ele fosse levar o Golbery. Daí o Figueiredo [João Figueiredo, chefe do SNI de Médici e sucessor de Geisel na Presidência] assegurou para o Médici que o Golbery estava rompido com o Geisel. Quando o Geisel chegou, já trouxe o Golbery, que foi ser chefe da Casa Civil."

O ex-ministro de Costa e Silva e Médici oscila quando fala da tortura, que marcou o período de Médici, principalmente. "Eu chamo esse período de guerra suja porque a Convenção de Genebra não funcionava para nenhum dos lados", afirmou, há oito anos. E, na época, também rejeitou as interpretações de que o período militar foi o império do "mal". "É preciso acabar com esse maniqueísmo: se houve erro, houve de parte a parte e uns foram consequência e outros foram causa."

Nesse dia de março, Passarinho disse reiteradas vezes que não aprovava a tortura, mas tampouco o terrorismo. "Tudo o que aconteceu na luta armada deve aparecer dos dois lados. Eu coloco na mesma linha de crime hediondo não só a tortura, mas o terrorismo também". Todavia, definiu as ações da guerrilha que vitimaram militares e civis como "ódio ideológico"; a tortura, como "tática".

"A tortura desce da área propriamente intelectual e passa para a área tática, é a luta pela obtenção da informação. Aí aparecem os exagerados de ambos os lados", afirma. Aí, Passarinho lembra o atentado no aeroporto de Guararapes, no Recife, em 1967, com saldo de 17 vítimas; e o atentado ao II Exército, com uma vítima fatal. "Qual é a diferença entre isso e a tortura? Não consigo diferenciar em termos de consequência, de hediondez."

Duas horas depois de uma segunda entrevista - separada por oito anos da primeira -, Passarinho dá mostras de cansaço. A filha, Júlia, já ligou duas vezes. "É a policial da família, não queria que desse entrevistas", diz, rindo muito. Ele se declara exausto. Mas continua falando por um tempo. Mais uma história, que puxa a outra - o ex-ministro adora contar histórias com todos os detalhes, como aquela que começa com a descoberta de um d. Helder Câmara ainda integralista, quando estava no colégio, em Belém, e termina com uma negociação secreta com o já bispo de esquerda, em Crato (PE), para evitar que uma greve de trabalhadores se alastrasse pelo Estado, quando era ministro do Trabalho.

E termina com a última: de como uma carta apócrifa, que atribui ao SNI de Golbery, tentava acusá-lo de corrupção por causa da venda de um apartamento, quando era ministro de Médici. Segundo ele, não teve nenhuma dificuldade para desmentir a acusação, já que o apartamento e a casa onde ainda hoje mora foram os únicos patrimônios adquiridos ao longo de toda a sua vida pública. Mas, deixa claro, ficou o ressentimento.



Escrito por SALSFI às 20h18
[] [envie esta mensagem]


 
   O novo livro de Eliana Cardoso ´Mosaicos da Economia´

Vozes e poemas da Ásia

 

Eliana Cardoso se supera em 330 páginas que como folhas impregnadas de charme e inteligência iluminam seu mais recente livro. Depois das fábulas fabulosas, mosaicos preciosos tecem um cuidadoso caleidoscópio de magia, verve, ilações pitorescas e sutis de eventos e lances de uma economia tornada de alcance próximo e leveza ímpar. É livro imperdível não somente para quem se interesse pelas nuances às vezes nublada dos fatos e teorias econômicas, mas que se interesse por sorver conhecimento e estilo absolutamente elegante e charmoso.

 

Se o cenário exótico e agreste da Ásia inspirou fica no ar. Mas o trabalho é a prova inconteste de que os dotados de sabedoria e pertinácia conseguem sempre superar as marcas projetadas.

 

Salvador Sícoli Filho.

 

Parte inferior do formulário

 



Escrito por SALSFI às 17h54
[] [envie esta mensagem]


 
   Published on WORLD BANK BLOG´s - Eliana Cardoso

The biggest´s hubris of pseudo leaders in the undevelopments

Submitted by Salvador Sícoli Filho on Sat, 04/03/2010 - 10:49.

Asia, Brazil and the Blow-up.

 

It´s seems to me that any actions envolving countries, mainly the underdevelopment nations has un umbelicall relations with the great nations. We could´nt disconsider this relationships. When the dinasty of USA decreases with failling bank´s system, everyone of us searched the most near solution to survive without this great protection.

The unbelievable routh of China´s economics gave to every the combustible to escape of this tragedy. Will be solved all of the our troubles? Of course not.

Brazil, the preferred country of professionals investors will be in jail as soon as we can imagine. The country is feeding the seeds of the future bomb.

The blow-up - remembering Fellini, dear Eliana - could be happen in the next one or two years. Only Angela Merckel could save the euro and the PIIGS. Just one more a great Woman! All of us in expect of one of their. Unfortunatelly we don´t have any hard and marvellous woman to save USA. Obama is just only a good lawyer in the corner legate created by american way of proud and perdularism.

But Dilma is a terrible mistake that can introduce the following continuous of laissez -faire just to the end: Without China´s miracle Mr Ignacius should just only a clown in company with Chavez and Bolivian Indian.
But if God is present would everyone in safety including us.

 

PS.: Congratulations for your magnificent Mosaics in the Economy. Just only 330 pages of clevering and delightfull reading that everyone could improve as an obligation to read and learn sweetly. Economy, methafores with moving and best-sellers to sorve as soon as possible.
Really unlost.

Truly yours

Salvador Sícoli Filho

 

OBS>: Ph.D. em economia pelo MIT, Eliana Cardoso é uma das mais brilhantes economistas de sua geração. Professora visitante da FGV-SP, trabalhou em renomadas universidades dos EUA. Atuou no Banco Mundial e no Departamento de Pesquisa do FMI. Publicou livros e trabalhos acadêmicos e é colunista do jornal Valor e de O Estado de S. Paulo.

 

http://blogs.worldbank.org/endpovertyinsouthasia

Parte inferior do formulário

 



Escrito por SALSFI às 17h02
[] [envie esta mensagem]


 
  

Era dos contratos anuais para minério de ferro chega ao fim



Robert Guy Matthews, The Wall Street Journal
31/03/2010

A BHP Billiton, maior mineradora do mundo, anunciou que fechou acordos com a maioria de seus clientes para vender minério de ferro a preços de mercado, um acontecimento que garante custos mais altos e volatilidade nas oscilações do minério crucial para as siderúrgicas do mundo.

O ferro pode quase dobrar de preço por tonelada este ano em relação a 2009, quando as siderúrgicas pagaram cerca de US$ 60 por tonelada.

A decisão da BHP é um forte sinal de que a era de negociações anuais secretas e fragmentadas entre as siderúrgicas e as mineradoras está chegando ao fim. Durante décadas, os dois lados negociaram o preço anualmente, sob um sistema que mantinha o minério estável durante o período.

Mas desde que a China passou a demandar mais minério para alimentar seu crescimento industrial, o preço da commodity tem subido. O diretor-presidente da BHP, Marius Kloppers, tem tentado passar as negociações do minério para uma situação que reflita a verdadeira oferta e demanda no momento da venda.

Essa estratégia de preço funciona muito bem para mineradoras como a Rio Tinto e a maior exportadora de minério de ferro do mundo, a Vale SA. Com a demanda ultrapassando a oferta, o minério se tornou uma das maiores fontes de receita de várias mineradoras multinacionais.

Um executivo do alto escalão da Vale também disse ontem que o sistema de negociações anuais de um preço fixo para o ferro "acabou". "O sistema de preço fixo não sobreviveu a um teste importante no ano passado", disse numa convenção do setor em Pequim o diretor de marketing, pesquisa e desenvolvimento da Vale, Pedro Gutemberg. "É preciso fazer algo diferente [em termos de preço]. (...) Não queremos perpetuar um confronto interminável."

Mas a China, maior compradora de ferro do mundo, teima em preservar os contratos anuais porque as siderúrgicas acham que podem se beneficiar financeiramente deles. Também ontem em Pequim, um executivo graduado da Associação de Mineradoras da China criticou as atitudes das mineradoras estrangeiras. "É preciso ter um preço razoável", disse Wu Rongqing, engenheiro-chefe da associação. "Se as mineradoras ficam com todo o lucro, o que farão nossas siderúrgicas?" Jia Yinsong, autoridade do Ministério da Indústria e da Tecnologia da Informação, já tinha dito que a China "definitivamente apoia o [presente] sistema de preço fixo do ferro", e classificou as demandas das mineradoras como "opacas e não representativas dos fundamentos do mercado".

A maior siderúrgica da China, a BaoSteel Group, afirmou semana passada que ainda apoia o sistema de preço fixo anual. A BaoSteel representa as siderúrgicas nas negociações com as mineradoras.

A Rio Tinto e a Vale ainda não anunciaram negociações de preço.

Mas o comunicado da BHP também aumenta a pressão sobre seu principal concorrente, a Vale. Os contratos do minério de ferro, afirma a BHP, são de preço no destino, significando que representam o valor à vista mais o custo do frete.

O minério de ferro é uma commodity de alta densidade que as siderúrgicas têm que pagar às mineradoras para transportar maritimamente até seus portos. As minas da BHP são na Austrália, muito mais perto da China e do resto da Ásia que as minas da Vale.

Então a BHP está apostando que grande parte de seu ferro parecerá mais barato quando comparado ao minério da Vale, que inclui um frete maior, a não ser que a Vale opte por vender seu ferro mais barato que o preço do mercado.

A BHP quer usar os índices públicos de cotação do ferro para determinar o preço de seu minério. O valor pode ser baseado na cotação atual ou no preço previsto para um determinado período futuro, seja ele três ou seis meses, por exemplo.

A BHP divulgou há algumas semanas que tinha passado dos acordos anuais para preços trimestrais no coque, outro ingrediente na cadeia de produção do aço. A cotação dessa commodity também subiu recentemente.

Mesmo assim, as mineradoras podem sofrer um tombo financeiro daqui a alguns anos se a demanda por aço diminuir ou a oferta se tornar excessiva.

A cotação do minério cairia e as siderúrgicas comprariam o ferro a preços muito mais baixos que atualmente.

As siderúrgicas, como a Tata Steel e a ArcelorMittal, a maior do mundo, estão desenvolvendo suas próprias minas de ferro para se esquivar de futuras altas no preço do minério.

(Colaborou Chuin-Wei Yap)

 



Escrito por SALSFI às 11h58
[] [envie esta mensagem]


 
  

 

 

 

 

 

 

Bem Vindo, SALSIFI CONSULTING LTDA

Cartas de Leitores


VALOR ECONÔMICO


31/03/2010

Guilherme Leal

"Muito oportuna a entrevista com Guilherme Leal, da Natura e possível candidato a vice-presidente na chapa de Marina Silva (25/03 página A16). Faz eco a um alerta que outros já vêm levantando, em relação à aposta do atual governo para a exploração do pré-sal, quando diz que devemos utilizar tais recursos naturais visando à 'construção do futuro, da nova fronteira tecnológica'. Caso contrário, 'mais uma vez ficaremos para trás, como no século passado'. A questão merece análise cuidadosa, algo difícil em nosso país, onde vige a pressa eleitoreira."

Renato Pedrosa

pdrsa_yh@yahoo.com.br

Editorial

"É simplesmente irretocável quer pela sobriedade, quer pela isenção, o editorial de 30/03/10 em que são alinhavados os desvios de tratamento do ordenamento legal que precedem o pleito eleitoral. A sabedoria de quem se pretende vir a ser um estadista se revela mais que pelas ações, pelas virtudes de prudência, de comedimento, simplicidade e, sobretudo, pelo bom exemplo no cumprimento de deveres estipulados pela lei."

Salvador Sícoli Filho

salsificonsulting@yahoo.com.br

Real Grandeza

"A respeito da reportagem publicada hoje, na página A7, 'Oposição arma-se para explorar blecautes contra Dilma', quero deixar claro o que a matéria não conseguiu esclarecer: não conheço ninguém no fundo de pensão Real Grandeza e tampouco poderia indicar alguém para lá. Logo, a insinuação no texto é despropositada. Sobre as declarações do deputado Paulo Bornhausen, resta-me apenas um comentário: o partido dele, o DEM, é que está acostumado a indicar nomes para fundos de pensão de estatais."

Eduardo Consentino da Cunha

deputado federal (PMDB/ RJ)

Nota da Redação:

A negativa do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) sobre suas relações com Furnas estão plenamente contempladas na reportagem, inclusive com a frase do missivista, ouvido pelo jornal.



Escrito por SALSFI às 16h38
[] [envie esta mensagem]


 
  

 

Bovespa rompe os 71 mil pontos


Escrito por SALSFI às 16h03
[] [envie esta mensagem]


 
  

A Vale informa sobre a precificação do minério de ferro

Quinta-feira, 1 de Abril de 2010 15:05
De:
Adicionar remetente à lista de contatos
Para:
"SALVADOR SÍCOLI FILHO" <salsificonsulting@yahoo.com.br>

A Vale informa sobre a precificação do minério de ferro

Rio de Janeiro, 1 de abril de 2010 - A Vale S. A. (Vale) informa que acordou com a maioria de seus clientes novas condições de precificação para o minério de ferro, baseadas em referências de mercado com mudanças automáticas de preços em bases trimestrais. Os acordos realizados, definitivos ou provisórios, compreendem 97% de sua base de clientes de minério de ferro em todo o mundo, correspondendo a 90% dos volumes contratuais.

A mudança estrutural na precificação do minério de ferro é consistente com o que foi anteriormente anunciado pela Vale a respeito da implementação de uma nova política comercial, envolvendo, entre outros pontos, uma abordagem mais flexível com respeito aos preços.


Para mais informações, contatar:
+55-21-3814-4540
Roberto Castello Branco: roberto.castello.branco@vale.com
Viktor Moszkowicz: viktor.moszkowicz@vale.com
Carla Albano Miller: carla.albano@vale.com
Patricia Calazans: patricia.calazans@vale.com
Samantha Pons: samantha.pons@vale.com
Theo Penedo: theo.penedo@vale.com



Escrito por SALSFI às 15h46
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO
 11/09/2016 a 17/09/2016
 06/09/2015 a 12/09/2015
 18/01/2015 a 24/01/2015
 09/11/2014 a 15/11/2014
 26/10/2014 a 01/11/2014
 15/06/2014 a 21/06/2014
 06/04/2014 a 12/04/2014
 02/02/2014 a 08/02/2014
 13/10/2013 a 19/10/2013
 12/05/2013 a 18/05/2013
 21/04/2013 a 27/04/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 10/02/2013 a 16/02/2013
 25/11/2012 a 01/12/2012
 29/07/2012 a 04/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 29/01/2012 a 04/02/2012
 11/09/2011 a 17/09/2011
 04/09/2011 a 10/09/2011
 28/08/2011 a 03/09/2011
 24/07/2011 a 30/07/2011
 10/07/2011 a 16/07/2011
 03/07/2011 a 09/07/2011
 29/05/2011 a 04/06/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 27/03/2011 a 02/04/2011
 13/03/2011 a 19/03/2011
 06/03/2011 a 12/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 19/12/2010 a 25/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 04/07/2010 a 10/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 11/04/2010 a 17/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 28/03/2010 a 03/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 22/11/2009 a 28/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 22/03/2009 a 28/03/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 22/02/2009 a 28/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 16/07/2006 a 22/07/2006
 25/06/2006 a 01/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 19/06/2005 a 25/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005
 23/01/2005 a 29/01/2005
 16/01/2005 a 22/01/2005
 19/12/2004 a 25/12/2004
 28/11/2004 a 04/12/2004
 21/11/2004 a 27/11/2004
 14/11/2004 a 20/11/2004
 07/11/2004 a 13/11/2004
 31/10/2004 a 06/11/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004



OUTROS SITES
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 ARTIGOS ECONÔMICOS
 CRÔNICAS E ARTIGOS


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!