SALSIFI INVESTMENTS
  

Siderurgia chinesa paga mais por minério de ferro

 

Shai Oster, The Wall Street Journal,de Pequim - 22/07/2009

 

A decisão da China de fincar o pé à espera de preços mais baixos para o minério de ferro nas negociações com as maiores mineradoras mundiais está obrigando suas siderúrgicas a pagar muito mais pela commodity do que concorrentes ao redor do mundo.

 

O aumento da demanda na própria China, mais os abalos causados pela prisão de quatro executivos da mineradora anglo-australiana Rio Tinto PLC no país determinada pelo governo, ajudaram a fazer com que o minério de ferro no mercado à vista superasse US$ 90 por tonelada. É o nível mais alto desde o ano passado, segundo a consultora Mysteel, especializada no setor siderúrgico, e cerca de 20% mais alto que os contratos de longo prazo assinados este ano por compradores japoneses, coreanos e europeus.

 

Segunda-feira, no fim da tarde, a Vale S.A. informou que fez acordo com a siderúrgica alemã ThyssenKrupp AG com preços semelhantes para seus contratos - cerca de um terço menores do que os do preços do ano passado, em média - aumentando o isolamento da China na rodada de negociações deste ano. A mineradora sediada no Rio já havia concluído negociações com outras siderúrgicas no mesmo parâmetro global que a China até agora se recusa a aceitar.

 

A Associação Chinesa do Ferro e do Aço, que lidera o lado chinês das negociações com as mineradoras, informou que as discussões sobre os contratos estão prosseguindo. Mas as perspectivas para as discussões deste ano, que não terminaram até o prazo limite de 30 de junho, têm sido prejudicadas desde então pela acusação feita pela China de que executivos da Rio Tinto se valeram de subornos para conseguir "segredos de Estado" relativos às negociações sobre o preço do minério de ferro. A Rio Tinto era a principal negociadora do lado das mineradoras.

 

Segundo analistas, as prisões - juntamente com as a especulação feitas por traders de minérios de que a Rio Tinto parou de enviar ferro para a China - ajudaram a elevar os preços. A Rio Tinto nega as acusações contra seus funcionários e afirma que continua a despachar minério de ferro para a China.

 

A China importou 297 milhões de toneladas de ferro no primeiro semestre, quase 30% a mais que no mesmo período do ano passado. Sem contratos de longo prazo, as siderúrgicas chinesas precisam comprar mais minério no mercado à vista, sem os descontos. Isso, por sua vez, encarece ainda mais a commodity no mercado à vista.

 

"Se segredos essenciais do setor vazaram ou não, isso também não tem muita importância, pois não é segredo que a insaciável demanda chinesa por crescimento continuará a alimentar sua demanda sempre crescente de minério de ferro", diz Ren Xianfang, uma analista da IHS Global Insight, consultora especializada em commodities. Ren acrescentou: "Só esse fato já vai prejudicar o poder de barganha da China em qualquer negociação relativa a recursos."

 

O governo chinês não tem comentado muito sobre o caso dos executivos da Rio Tinto desde a prisão de Stern Hu, um cidadão australiano, e três colegas chineses da mineradora.

 

Pessoas informadas sobre as negociações anuais dizem que muitas das informações mais úteis para as mineradoras incluem dados sobre preços do aço, estoques e lucros corporativos. Todos esses dados são revelados publicamente, ou disponíveis por meios legais.

 

O caso pode envolver informações corporativas que ainda não foram reveladas em público; ou talvez os executivos da Rio Tinto podem ter reunido uma tal quantidade de dados a ponto de alarmar as autoridades.

 

"Há muitos dados que as mineradoras adorariam saber. É o tipo de coisa que se consegue bebendo com pessoas até tarde da noite, criando boas relações de trabalho", diz Alan Heap, analista especializado em ferro do Citigroup Inc. Mas, diz ele, "é diferente na China, onde essas coisas podem ser segredos de Estado".

 

Hu estava encarregado do setor de minério de ferro da Rio Tinto na China, e supervisionava as vendas da commodity para siderúrgicas chinesas. A questão principal, para a Rio e outras mineradoras, seria avaliar a futura demanda chinesa.

 

Segundo analistas, as mineradoras poderiam ter tido uma boa indicação de que a demanda aumentaria em resultado do pacote de estímulo econômico do governo chinês, de US$ 585 bilhões, que inclui cerca de US$ 220 bilhões em investimentos em estradas, pontes e outras obras de infraestrutura.



Escrito por SALSFI às 01h24
[] [envie esta mensagem]


 
  

Siderurgia: Grandes projetos no país são cancelados, suspensos e adiados por Baoesteel, Usiminas, CSN e Gerdau

Crise afeta investimentos de R$ 53 bilhões

Vera Saavedra Durão e Sérgio Bueno, do Rio e Porto Alegre - 24/07/2009

 

 Os investimentos na siderurgia brasileira encolheram fortemente com a crise econômica que retraiu a demanda por aço em todo o mundo. Três grandes projetos foram suspensos e adiados, um cancelado e um quinto ainda encontra-se sem definição. O montante previsto para esta carteira de obras era da ordem de R$ 53 bilhões conforme anúncio feito pelas empresas e projetos encaminhados ao BNDES para financiamento.

O primeiro grande projeto afetado pela crise foi o da Companhia Siderúrgica de Vitória (CSV), uma parceria entre a chinesa Baosteel e a Vale. Previa produzir 5 milhões de toneladas de placas de aço na região industrial de Ubu, em Anchieta (ES). O valor do investimento era da ordem de R$ 10 bilhões. A decisão de cancelamento foi tomada pelos sócios em janeiro, no auge da crise global. Na ocasião, Vale e Baosteel atribuíram a desistência do projeto também às dificuldades de atender as exigências ambientais colocadas pelo governo capixaba, que queria sua transferência para outro município.

Ontem, a Usiminas comunicou ao mercado a suspensão do projeto de construção de uma nova usina no município de Santana do Paraíso (MG), que estava orçado em cerca de R$ 12 bilhões. Só deverá ser retomado, segundo o conselho de administração da empresa, quando "os fundamentos do mercado confirmem a recuperação do crescimento sustentável da demanda". Os acionistas da siderúrgica, que tomaram a decisão em consenso, estavam ontem bastante aliviados, informou um de seus representantes. "Foi uma decisão prudente frente à crise", afirmou.

Para o professor de economia da Universidade Federal de Uberlândia, Germano Mendes de Paula, seria estranho se a Usiminas anunciasse que ia tocar o projeto em ritmo acelerado. "A medida é coerente com o cenário de incerteza e as formas como as siderúrgicas lidam com isso é distinta. Umas falam em suspender seus projetos, outras em adiá-los e outras que estão analisando". Para ele, não há clareza sobre o poder de sustentação da demanda por aço. "O pior já passou, mas o setor ainda está de ressaca". O economista não afasta, porém, a possibilidade de uma onda de fusões e aquisições no setor após a crise, o que pode adiar por mais algum tempo a retomada de novos projetos de investimentos.

A Cia. Siderúrgica Nacional (CSN) também adiou sem data os planos de construção de duas usinas. Uma em Congonhas (MG), perto da sua mina de ferro Casa de Pedra e outra em Itaguaí (RJ). Os investimentos em cada uma eram estimados em R$ 12 bilhões, com capacidade em torno de 5 milhões de toneladas em cada projeto.

O grupo Gerdau também trabalhava com a perspectiva de instalação de mais um alto-forno na controlada Açominas, de Ouro Branco (MG). O projeto alto-forno III programava a ampliação da capacidade 4,5 para 7 milhões de toneladas de aço bruto voltada para fabricação de aço longo e plano (placas).

Todo este processo de engavetamento de projetos levou o BNDES a reprogramar seu fluxo de desembolso para o setor. No ano passado, o banco trabalhava com perspectiva de liberar R$ 55 bilhões em projetos que sairiam do papel entre 2008 a 2011 e que acrescentariam mais 14 milhões de toneladas de aço no país às atuais 41 milhões de toneladas. Agora, o banco prevê desembolsar R$ 32 bilhões entre 2009 e 2012 para o setor, gerando adicional de produção no máximo de 10 milhões de toneladas.

O analista Rodrigo Ferraz, da Brascan Corretora, avalia que no curto prazo a Usiminas agiu corretamente ao suspender a nova usina. "Certamente, eles vão recalcular todo o projeto, mas acho difícil que a Usiminas desista dele". Ferraz diz que as usinas de aço do país têm que tomar cuidado com esta história de que não vão mais fazer projetos de expansão e novas usinas porque o mercado está ruim. "Quando o mercado retomar, alguém vai fazer no lugar delas".

O BNDES acredita na retomada em breve de pelo menos três grandes projetos adiados, pois desenha um cenário de retomada do mercado de aço até 2015, quando avalia que o país terá que contar com uma capacidade instalada de pelo menos 65 milhões de toneladas de aço bruto, para não perder sua competitividade no exterior.

Se CSN e Usiminas não estiverem dispostas a retomar seus projetos, há outros, como o de Pecém, no Ceará, da Vale com a coreana Dongkuk, do qual o banco pode até participar se for necessário. A ideia é produzir em duas etapas 6 milhões de toneladas de placas. Há ainda o projeto da Vale em Marabá (PA), cuja pedra fundamental está prevista para ser lançada em agosto e ficar pronto até 2013.

Rafael Weber, da Geração Futuro, acredita que os projetos que têm a Vale como empreendedora dificilmente deixam de ir à frente, como é o caso da usina ThyssenKrupp, no Rio. "Ao aportar mais recursos e ampliar sua participação de 10% para 26,7%, a Vale reiterou sua intenção de dar continuidade ao projeto. Com sua visão de longo prazo a mineradora não trabalha para cancelar projetos", destacou.

A grande surpresa neste ambiente ainda nebuloso é a possível chegada da Wuhan, a terceira maior grupo de aço da China. Anunciou pretensão de fazer uma usina no terminal portuário do Açu, de Eike Batista.

Em nota, a Gerdau informou ontem que "não há projetos cancelados dentro dos já comunicados". Mas, segundo a empresa, o cronograma de implantação depende da evolução da demanda por aço nos respectivos mercados. "O plano de investimentos da Gerdau para os próximos cinco anos (2009 a 2013) é de US$ 3,6 bilhões e está sujeito à evolução das condições econômicas futuras", informou.

Entre os projetos anunciados pelo grupo antes do estouro da crise econômica em setembro de 2008 estava a ampliação da capacidade da Açominas de 4,5 milhões para 5 milhões de toneladas/ano de aço, além da instalação de um laminador de chapas grossas e de um laminador de perfis médios no mesmo local, aptos a fazer 870 mil e 650 mil toneladas, respectivamente, por ano. Todos deveriam entrar em operação em 2010.

 Esse pacote da Açominas somava US$ 1 bilhão em investimentos, mas a crise esfriou os ânimos do grupo. Em dezembro, o alto-forno responsável por dois terços da produção da usina foi paralisado para reformas e só voltou a operar no início deste mês, "em razão da melhora gradual da demanda no mercado interno e mundial", segundo informou a Gerdau. Ao mesmo tempo, porém, o segundo alto-forno, com capacidade para 1,5 milhão de toneladas por ano, foi paralisado desde o dia 20 sem prazo pré-determinado par voltar a funcionar.

Os projetos incluíam ainda a construção de uma nova usina para a produção de vergalhões para a construção civil em Pernambuco, onde a Gerdau já tem a siderúrgica Açonorte, que faz 300 mil toneladas. Conforme anúncio em agosto de 2008, a nova usina custaria US$ 400 milhões para produzir 500 mil toneladas e ficaria pronta em 2011. Poderia, numa outra fase ser duplicada.

 



Escrito por SALSFI às 01h09
[] [envie esta mensagem]


 
   PALESTRA SOBRE SUSTENTABILIDADE

Sustentabilidade nas Empresas e nos Projetos

 

Salvador Sícoli Filho – 15/07/09

Para quem entra hoje na Vale pela Portaria Principal logo se depara com um grande painel com a foto do Precipitador e a citação da Vale como empresa modelo de que cumpre os princípios de sustentabilidade.

E nós estamos muito acostumados a ouvir sobre sustentabilidade nas empresas. Na realidade, sustentabilidade é uma das palavras da moda no mundo corporativo, e nem sempre é aplicada de uma forma correta.

Então vamos começar por aí: o que é uma empresa sustentável? Eu a definiria da seguinte forma: é a empresa que continua gerando lucros para seus acionistas sem causar impactos negativos aos outros stakeholders da empresa. E quais são esses outros stakeholders? São os funcionários, os fornecedores, os concorrentes,  comunidade.

 

A sustentabilidade se assenta em três pilares: econômico, social e ambiental

Parece simples demais? Pois É muito simples. Assim enquanto a chamada governança – outra palavra da moda - está ligada à autogestão da empresa, ou seja, a preocupação com a prestação de contas, a transparência nos resultados e a proteção de acionistas minoritários. Já a sustentabilidade é uma espécie de evolução da filantropia empresarial. Vai além da responsabilidade social, pois seu papel é analisar as questões sociais e ambientais dentro de todas as áreas de atuação da empresa, desde a alteração na forma de produção até o bom relacionamento com funcionários e consumidores. Para tornar-se uma empresa sustentável, a empresa deve preocupar-se com as questões sociais e com seu relacionamento com funcionários e consumidores e o respeito ao meio ambiente e à comunidade em seu entorno.

Assim sejamos claros: uma empresa é feita para gerar lucro para seus donos ou acionistas (alguém discorda?). Os outros stakeholders são os funcionários, os clientes, os concorrentes, o governo, o meio ambiente, a comunidade em torno da empresa, etc. Portanto, se a organização consegue atingir seu objetivo principal (o lucro), mantendo impactos positivos para todos aqueles que participam direta ou indiretamente das atividades da empresa, ela se sustentará por longo prazo.

Bom, agora que esclarecemos o que é sustentabilidade, como isto se aplica  a uma pequena empresa ou aos projetos de engenharia ? Não se pode cometer o erro de pensar que sustentabilidade se aplica somente às grandes corporações… estas somente “aparecem” mais porque possuem um alcance maior e portanto têm impacto em um número maior de pessoas. Assim se você  tem um pequena empresa ou  se dedica como nós a projetos de engenharia  devemos levar em conta  os impactos locais, a inserção devida nos sites já estabelecidos e a sustentabilidade em relação ao meio ambiente.

Para tornar sua empresa ou projeto sustentável, devemos levar em conta alguns dos seguintes aspectos:



Escrito por SALSFI às 00h53
[] [envie esta mensagem]


 
   PALESTRA SOBRE SUSTENTABILIDADE

1. Sustentabilidade Ambiental:

*       O lixo de sua empresa é reciclado?

*       Os resíduos gerados (em caso de pequenas indústrias) são tratados e despejados adequadamente?

*       Sua empresa apóia iniciativas ecológicas locais?

*       Caso seu bairro não possua iniciativas ecológicas, sua empresa as cria?

2. Sustentabilidade Social:

*       Seus funcionários recebem um salário justo e um tratamento digno?

*       As condições e segurança no trabalho na empresa são adequadas?

*       Sua empresa apóia programas sociais locais?

3. Sustentabilidade Cultural:

*       Sua empresa está bem encaixada no perfil do bairro ou da região?

*       Sua empresa apóia programas culturas no bairro?

*       O tipo de atividade exercida é adequada para a região na qual a empresa está?

*       Os valores culturais dos funcionários são os mesmos que os do empreendedor?

4. Sustentabilidade Econômica:

*       A empresa consegue gerar lucro atuando de forma legal?

*       As negociações com os fornecedores são levadas de forma justa?

*       Os clientes recebem o valor pelo qual estão pagando ou são enganados com falsa propaganda?

*       A concorrência é feita de forma ética?

Aplicando o conceito de sustentabilidade em seu empreendimento, você não só poderá ver o crescimento da empresa ou o enriquecimento do seu projeto com lucros ou resultados positivos no longo prazo. E a satisfação  de ver os impactos positivos que causa ao seu redor.

 

Porém para cumprir os preceitos e conceitos da sustentabilidade o mundo e as empresas, hoje em atmosfera de crise, se veem diante de um grande desafio.

Como continuar a manter esses princípios sob condições extremamente adversas?

Veja-se que a recente cúpula das 8 maiores economias e que contou com a empresa do Brasil como convidado especial e trapalhão não chegou a lugar nenhum



Escrito por SALSFI às 00h51
[] [envie esta mensagem]


 
   PALESTRA SOBRE SUSTENTABILIDADE

A cúpula do Grupo dos Oito países mais poderosos não conseguiu assumir compromissos significativos em matéria climática, o que aproxima cada vez mais o mundo de uma catástrofe ambiental. Sem compromissos sobre a adoção de medidas, o acordo do G-8 para manter o aquecimento global geral abaixo de dois graus centígrados nos prazos estabelecidos parece insuficiente.

Segundo o que sabem hoje os cientistas, os riscos aumentam muito quando o aquecimento chega aos dois graus. As temperaturas mundiais aumentaram 0,8 graus nos últimos cem anos, e chegarão a aumentar entre 1,2 e 1,5 graus com base nas emissões de gases causadores do efeito estufa que já estão na atmosfera.

 

O G-8 está integrado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Itália, Japão e Rússia. A cúpula aconteceu de no começo de julho na cidade italiana de L’Aquila. Por coincidência uma localidade aprazível e calma de belas colinas e campo, bons vinhos e que foi destruída por um terremoto que sucedeu à grande crise do mercado de setembro.

Mas o grande aspecto, o grande desafio para corroborar com as grandes façanhas da Engenharia será continuar a sustentabilidade dos grandes projetos. Projetos estes ancorados nas melhores práticas como aqueles de redução da emissão de gases e poluentes, criação de fontes alternativas de energia, economia de energia e fontes renováveis, reuso de águas industriais, aproveitamento de águas de chuva, bio combustíveis no qual o país é vastíssimo em tecnologias de ponta, nanotecnologia e uma série enorme de outras novas especialidades.

 

Quais destes instrumentos, tecnologias ou aperfeiçoamentos estamos utilizando em nosso meio?

 

O que poderemos promover entre nós entre os procedimentos já adotados pelas empresas às quais colaboramos, gerenciamos ou prestamos serviços.

São estas reflexões que deixo sobre este tema esperando que aqueles que de fato se interessarem pelo assunto contribuam futuramente com aportes de ideias e novos conceitos.

Obrigado.



Escrito por SALSFI às 00h48
[] [envie esta mensagem]


 
  

O TURISTA, O PUNGUISTA E A CHANTAGEM NA POCILGA DO TORTO. 

Salvador Sícoli Filho -17/07/09

É lamentável o baixo nível da prostituição no Congresso.

Enquanto o presidente faz turismo e distribui camisas de futebol num marketing brega de proveta, a gangue ataca.

A primeira dama faz turismo com a família toda a tiracolo e o avião presidencial não pára de decolar para terras exóticas para cultuar o egocentrismo doentio de um obtuso papagaio de piratas.

Enquanto os políticos  nos roubam , Dona Maricota teve o papagaio de 20 anos de casa recolhido pelo Ibama. Para não ser presa por crime ambiental varre rua aos 65 anos.

O justo mesmo seria ver Sarney de cuecas listradas em praça pública levando umas boas chicotadas. Um corredor polonês com 513 em fila dupla. Uma enorme com os corruptos e outra com os 2% que escaparam da primeira e levam as chibatadas por omissão passiva.

Inclusive algumas cabeças coroadas pela esclerose e até pelo chifre, nomes conhecidos que dispensam apresentação. Sem esquecer dos cento e oitenta diretores de porre nenhum e seu séquito de  apaniguados.

Que sensação boa a purificação da Praça dos Três Poderes lavado a criolina e liberto dos espertalhões. A casa de tolerância máxima sob os cuidados de um exorcista.

Mas a realidade é dramática. 

E os políticos podres e seu conluio obceno na sinecura da hipocrisia?

Protegem-se. Fingem que vão trabalhar e continuam na orgia dos bacanais em prol da causa própria. Teve um que teve o despudor de dizer que estava se "lixando" para a opinião pública.

Desculpem-me estou ficando velho e moralista.

E o meu estômago não aguenta mais tanta pouca vergonha de gatunos  e punguistas sem classe. No meu tempo de lobby, o Congresso vestia uma certa finesse, havia tratativas em alto nível, mas agora são punguistas mesmo.

Mas enquanto aqui em Vitória, no Rio  e São Paulo a  violência grassa e as vítimas de balas perdidas se multiplicam, a Rede Globo refinanciada ad eternum pela campanha eleitoral se dedica aos funerais de Michael Jackson, a gripe suína encobre o escândalo da dengue que entre os capixabas é devastadora, e toda bobagem vira motivo para cortina de fumaça contra os escândalos na Casa de Tolerância Máxima, expressão cunhada por mim e utilizada em meus sites e blogs e artigos para blogs de jornalistas que escasseiam. Sarney não pode ser considerada uma pessoal comum diz o filósofo de Garanhuns. E aconta do Mensalão e o bloqueio do impeachment começa a ser paga. Afinal o homem do fardão além de escritor e intelectual começa a ver desnudada a sua capacidade de transfiguração. O maior vira casacas da história não compatibiliza com a liturgia do cargo de cafetão da Casa de Tolerância Máxima. Mas o emprego é bom e ótimo para espantar a esclerose além de render mais sinecuras para si e os seus próximos. 

Depois que escrevi artigo em 25 de maio passado  para a Gazeta Mercantil sobre os desmandos da diretoria e dos gerentes aparelhados da Petrobrás emais uma pauta de  questões para serem abordadas pela CPI, o jornal - lenda viva do jornalismo econômico e deixado à mingua pelos despreparados de Brasília -  foi fechado.

Em 29 de maio encerrou as atividades.

A coincidência me chocou.

E a brava Petrobrás do sr. Gabrielli continua com seu arroubo e arrogância cerceando  a CPI que poderia mostrar suas aberrações. E foi criado um blog "Fatos e Dados" para escudar as criticas à empresa e concorrer com os sites da VEJA.

O PT aparelhou o Estado e estamos quietos.

São milhares de imbecis a sugar as tetas da viúva com incompetência e altos salários.

Agora o grande imbecil aceitou um empréstimo de US$ 10 bilhões dos chineses para socorrer a Petrobrás cuja situação é precaríssima. O ativo circulante mingua na proporção direta da arrogância de seus administradores da turma da brava guerrilheira e sua tropa de baba ovos.

Assim, está abrindo o caminho  que os chineses precisam para montarem sua âncora no Brasil. E comprarem tudo o que puderem com a montanha de dólares voláteis das reservas que acumularam. O grande falastrão, o ventrílogo que fala pelos traseiros e culpa os nossos, está assentando as bases para facilitar a invasão chinesa ao nosso país.

E Mr X, em plena crise da siderurgia vai "enfiar" uma nos incautos siônicos.

Por que diabos estamos todos quietos batendo continência para o imbecil?!

Que diabo de brasileiros somos nós!

Os nossos jovens estão cada vez mais rebeldes.

A violência campeia nas escolas. As drogas e o tráfico não são combatidos.Temos um governo que protege o crime e os criminosos de sua horda. Coloca como cidadãos suspeitos como acima de qualquer suspeita por protegeram seus atos desonestos e se cobrir e cobrar com chantagens recíprocas.

Nem a dragheta napolitana, a nata da máfia consegue agir com tanta desfaçatez e hipocrisia quanto os nossos construtores de castelos diversificados da ilha da fantasia brasiliana.

E são todos absolvidos entre si pela camarilha que tomou conta de Brasília.

O conselho de ética é formado por cidadãos desclassificados de bons antecedentes. 

Criam leis para proteger os políticos ao arrepio de decisões do TSE. 

Por isto e por estar convicto de que a culpa dos assaltos de todo tipo, da violência urbana e doméstica, da desmoralização das instituições e tudo o mais imaginável como assaltos  à luz do dia, hospitais abandonados e médicos aviltados, professores espancados por alunos, serem resultado único do mau exemplo dos cafetões que habitam do Palácio ao Congresso. Por isto e porque  até os estudantes da UNE hoje estão subservientes às benesses dos punguistas e endossam os desmandos dos despreparados é que tomei a liberdade de enviar junto com essa pérola sobre o maior camaleão do planeta, o meu desabafo.

Quem quiser vociferar contra a minha intromissão indevida, delete o texto ou me processe. Não serão os primeiros.

Mas nesse momento preciso  gritar.

E comover meus amigos antigos de que não é possível sustentar e nem conviver com esse status quo.

Estamos no perigoso limiar de ter de pagar a conta por tanta inconsequência.

Não se constrói um país com tantos crimes impunes e com a malversação dos valores.

Essa inversão dos verdadeiros padrões de ética e de transparência é uma bomba letal prestes a nos destruir como pátria, como sociedade profícua e ciosa de seus deveres.

 

 



Escrito por SALSFI às 00h35
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO
 11/09/2016 a 17/09/2016
 06/09/2015 a 12/09/2015
 18/01/2015 a 24/01/2015
 09/11/2014 a 15/11/2014
 26/10/2014 a 01/11/2014
 15/06/2014 a 21/06/2014
 06/04/2014 a 12/04/2014
 02/02/2014 a 08/02/2014
 13/10/2013 a 19/10/2013
 12/05/2013 a 18/05/2013
 21/04/2013 a 27/04/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 10/02/2013 a 16/02/2013
 25/11/2012 a 01/12/2012
 29/07/2012 a 04/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 29/01/2012 a 04/02/2012
 11/09/2011 a 17/09/2011
 04/09/2011 a 10/09/2011
 28/08/2011 a 03/09/2011
 24/07/2011 a 30/07/2011
 10/07/2011 a 16/07/2011
 03/07/2011 a 09/07/2011
 29/05/2011 a 04/06/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 27/03/2011 a 02/04/2011
 13/03/2011 a 19/03/2011
 06/03/2011 a 12/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 19/12/2010 a 25/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 04/07/2010 a 10/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 11/04/2010 a 17/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 28/03/2010 a 03/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 22/11/2009 a 28/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 22/03/2009 a 28/03/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 22/02/2009 a 28/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 16/07/2006 a 22/07/2006
 25/06/2006 a 01/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 19/06/2005 a 25/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005
 23/01/2005 a 29/01/2005
 16/01/2005 a 22/01/2005
 19/12/2004 a 25/12/2004
 28/11/2004 a 04/12/2004
 21/11/2004 a 27/11/2004
 14/11/2004 a 20/11/2004
 07/11/2004 a 13/11/2004
 31/10/2004 a 06/11/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004



OUTROS SITES
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 ARTIGOS ECONÔMICOS
 CRÔNICAS E ARTIGOS


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!