SALSIFI INVESTMENTS
   ROGER AGNELLI

Agnelli's colleague at Vale disagreed. "I've never seen him being rude to people. He is demanding, yes, and he makes people race against time."

Agnelli is known as a workaholic who spends 16 hours a day in the office. To learn English, which he's been studying for the past two years, he lodged a teacher at his home so that they could go over lessons over breakfast or before bed, Vale sources said.

He once told Brazil's Epoca weekly newsmagazine that if he were no longer the CEO of Vale, he would "slow down a bit" and spend more time with his wife and two teenage children, but he was not thinking of abandoning big business for the next 10 years.

His hobbies include motor boating in the resort area of Angra dos Reis near Rio, where he has a country home, and an occasional weekend game of soccer with friends.

He broke his foot playing soccer earlier this month, according to Vale sources, but traveled to Brasilia the next day for a meeting with government officials, having to check into a hospital on his return. (Editing by Brian Moss and Todd Benson)



Escrito por SALSFI às 20h24
[] [envie esta mensagem]


 
   AÇÕES DA XSTRATA DESABAM EM LONDRES

XSTRATA

(LSE: XTA.L)

Last Trade:

3,483.00

Trade Time:

Mar 20

Change:

233.00 (6.27%)

Prev Close:

3,716.00

Open:

3,598.00

Bid:

3482.00

Ask:

3484.00

1y Target Est:

N/A

 

Day's Range:

3483.00 - 3661.00

52wk Range:

2,436.00 - 4,251.00

Volume:

14,447,180

Avg Vol (3m):

8,415,880

Market Cap:

N/A

P/E (ttm):

N/A

EPS (ttm):

N/A

Div & Yield:

N/A (N/A)



Escrito por SALSFI às 20h13
[] [envie esta mensagem]


 
  

President Bush names his top economic adviser, Ben Bernanke, right, to become the new chairman of the Federal Reserve Board, replacing Alan Greenspan, left, in the Oval Office at the White House in Washington in this Oct. 24, 2005 file photo.  The Fed has taken its boldest action since the Great Depression, invoking rarely used legal powers in efforts to contain financial panic undermining the U.S. economy. And it acted with a speed that the White House and Congress could only envy. Fed officials have long claimed they had only a limited arsenal of instruments to prop up the economy. But Bernanke, in the first critical test of his leadership since he took over from Alan Greenspan in February 2006, may have proved otherwise.   (AP Photo/J. Scott Applewhite, File)

AP Photo: President Bush names his top economic adviser, Ben Bernanke, right, to become the new chairman of the Federal Reserve Board, replacing Alan Greenspan, left, in the Oval Office at the White House in Washington in this Oct. 24, 2005 file

 

 

Fed's Moves Bring Praise, New Scrutiny

Saturday March 22, 5:12 pm ET
By Tom Raum, Associated Press Writer

Fed's Moves to Stabilize Economy Bring Praise, but Also New Scrutiny to Central Bank

WASHINGTON (AP) -- The Federal Reserve has taken its boldest action since the Great Depression, invoking rarely used powers in an effort to contain a panic threatening to undermine the economy. The central bank acted with speed the White House and Congress only could envy.
The Fed is largely free from many constraints that bog down other policymakers. Also, it is the only U.S. institution with the authority and ability to create money out of thin air.

For now, the steps orchestrated by Chairman Ben Bernanke, in the first critical test of his leadership since succeeding Alan Greenspan in early 2006, are earning praise from the Bush administration, Congress and presidential contenders Barack Obama, Hillary Rodham Clinton and John McCain.

But the Fed's moves are raising questions about whether its regulatory powers, established in the early 20th century, need overhauling and whether it took on some responsibilities that Congress and the administration should have shouldered.

In a remarkable week, the Fed:

--engineered the fire sale of bankruptcy-headed Bear Stearns Cos. to J.P. Morgan Chase & Co. with a $30 billion loan.

--offered emergency loans to other securities dealers under terms normally reserved for regulated banks.

--slashed a key short-term interest rate by three quarters of a percentage point, to 2.25 percent. The cut was sixth since September.

These steps followed moves to lend $100 billion in cash to banks and $200 billion in Treasury bonds to cash-strapped investment banks. The goal was to keep the financial system from seizing up.

"I spent 35 years on Wall Street, have been a Fed watcher for a long time and I have never seen the potential for a more severe credit crisis than this one," said David Jones, chief economist at DMJ Advisors and a former Wall Street economist. "It looks like we turned the corner precisely because of what the Fed did."

Was this the first look at a more activist Fed or just a targeted response to a looming economic meltdown?

Either way, the financial sector and its regulators are expected to come under congressional scrutiny in the days ahead.

Lawmakers from both parties are coming up with suggestions for restructuring the regulation of financial markets. The Treasury Department is working on its own blueprint for change.

Rep. Barney Frank, chairman of the House Financial Services Committee, is proposing new regulations on investment banks similar to those that apply to regular banks. That includes mandatory requirements for cash reserves to cushion losses.

Frank, D-Mass., said the Fed or other government entity should be designated as a "financial services regulator" with the power to limit risky practices.

White House spokeswoman Dana Perino said the administration would study the concept and other ideas "as we consider if there's additional things that we need to do."

Bear Stearns' unraveling and the credit woes facing other financial companies brought new attention to the Fed, which is part of the government and part of the commercial banking system.

Congress created the Fed in 1913 to prevent financial panics such as runs on banks and set it up as an independent entity. Its powers grew in 1933 and 1935. Although the Fed is subject to congressional oversight, its decisions do not have to be ratified by the president or Congress. Fed officials are not paid with money appropriated by Congress.

It has a seven-member board of governors, led now by Bernanke, and headquarters in Washington. Fed members are nominated by the president and confirmed by the Senate. There are two vacancies currently.

The system includes 12 Reserve Banks in major cities. These banks have their own boards of directors, two-thirds of whom are elected by commercial banks in the region and one-third by the Fed board in Washington.

With this combined government-financial industry heritage, the Fed serves as the nation's central bank. It manages the money supply, sets or influences certain key short-term interest rates, engages in open market buys and sales of government securities, and oversees and provides financial services to banks.

Because of the Fed's direct influence over interest rates, the money supply, and the larger economy, some have called the Fed chairman the second most powerful job in Washington after the president.

Economist Lawrence Chimerine, president of Radnor Consulting in Philadelphia, faults the Fed, particularly under Greenspan, for not paying more attention to what was happening in mortgage markets and to the rise in subprime lending. He said Bernanke's Fed complicated the situation by "raising rates too much and being too slow to start reducing them."

Still, Chimerine said, "I don't think there's any question Bernanke did the right thing" with the recent moves. "If Bear Stearns had gone bankrupt and if this credit crunch continued to spread, we would have had a real mess."

Alice Rivlin, a former Fed vice chairman, said she does not think Bernanke exceeded his authority, even though he acted under creaky legal provisions not used since the 1930s. "The Fed has been very aggressive and imaginative, and has taken very strong actions to get the credit markets functioning again," she said. "And that's good."

Anthony Ryan, assistant treasury secretary for financial markets, said the current framework for regulating financial institutions "is a reflection of literally decades of evolution. And we have a very fragmented regulatory structure."

Before addressing any changes, "we need to continue to make sure we work through the current challenges in the markets. This has to be job one," he said in an interview with C-SPAN to air Sunday. "And the actions by the Federal Reserve to help facilitate orderliness and stability is very, very important."

Federal Reserve: http://www.federalreserve.gov/



Escrito por SALSFI às 19h50
[] [envie esta mensagem]


 
   A festa acabou
Por Hans-Werner Sinn - 17/03/2008
Agora que os Estados Unidos cambaleiam rumo à recessão, a vigorosa expansão econômica global chegou ao fim. A expansão foi extraordinariamente prolongada e persistente, com quatro anos de praticamente 5% de crescimento - um período de dinamismo econômico sustentado não visto desde cerca de 1970. O mais claro sinal de que a expansão está terminando é a projeção do FMI, de crescimento de 1,5% para os EUA, em 2008. Isso pode não soar como uma recessão, mas a projeção marginalmente positiva do fundo reflete principalmente uma sobra de crescimento remanescente de 2007, com praticamente nenhuma nova contribuição em 2008. Ela é compatível com três trimestres consecutivos de crescimento zero em 2008.


Muitas pessoas argumentam que uma recessão dos EUA não mais afetará o mundo, porque a China suplantou os EUA como dínamo da economia global. Errado. Embora a China esteja crescendo em ritmo acelerado, seu poderio econômico continua minúsculo. Enquanto os EUA contribuem com 28% para o PIB mundial, a China responde por apenas 5%. A totalidade da Ásia, da Turquia à China, participa com 24%, menos que os EUA sozinhos.


Em algum ponto, o mundo não mais ficará resfriado quando os EUA espirrarem, mas isto está longe de acontecer por ora. Vinte e um por cento das exportações da China e 23% das exportações da UE a países não-membros vão para os EUA. Portanto, o mundo não tem alternativa exceto ser arrastado para baixo por uma queda brusca no crescimento dos EUA.


O mais recente Panorama Econômico Mundial (PEM) do CESifo, que engloba 90 países, confirma isso. As avaliações da situação econômica atual e as expectativas para o próximo semestre se agravaram em todas as partes. Na Europa Ocidental e também na Oriental, o índice despencou mais do que na Ásia ou na América Latina. A queda no indicador PEM durante os dois trimestres passados foi a mais acentuada desde 2001, quando estourou a bolha do mercado de ações. Nos EUA, o indicador PEM está agora abaixo do nível de 11 de setembro de 2001, assim como o índice Michigan de confiança dos consumidores.


Por muitos anos, os EUA viveram muito acima dos seus meios: uma taxa de poupança doméstica próxima de zero, e investimentos financiados exclusivamente com recursos estrangeiros. O déficit em conta corrente dos EUA, que é idêntico à importação liquida de capitais, cresceu de forma constante a um montante de US$ 811 bilhões anuais em 2006, ou 6% do PIB - de longe o maior desde a Grande Depressão. Ano após ano, os EUA conseguiram vender seus ativos no exterior e desfrutar um alto estilo de vida em seu país. Não mais. O mundo entendeu a situação.


Bancos em todas as partes estão aprendendo à suas próprias custas que o endividamento com o qual os EUA financiaram a expansão no seu consumo não será necessariamente reembolsado. Os títulos lastreados em créditos hipotecários que os bancos dos EUA conseguiram vender ao mundo não são comparáveis aos ativos europeus com nomes similares.



Bancos estão aprendendo que o endividamento com o qual os EUA financiaram a expansão no seu consumo não será necessariamente reembolsado


Na Europa, especialmente na Alemanha, um título lastreado em hipoteca (Pfandbrief) é um ativo ultra-seguro, já que normalmente os bancos financiam não mais do que 60% do valor de uma casa. Em contraste, esses títulos dos EUA são como um bilhete de loteria. Os bancos dos EUA financiam até 100% do valor de uma casa, algumas vezes até mais, e o mercado sub-prime inclui até empréstimos a pessoas sem emprego e sem renda. Muitos bancos europeus podem não ter entendido isso, porém eles ainda se esquivaram de revelar esses investimentos dúbios nos seus balanços patrimoniais. Eles preferiram colocá-los em veículos de propósito específico sediados em países com baixa tributação.


Esses veículos agora estão apresentando prejuízos gigantescos que precisam ser cobertos pelos bancos controladores, alguns dos quais estão sendo arrastados à beira da falência. Esta primavera mostrará as baixas contábeis necessárias nos balanços patrimoniais anuais, mas a verdade plena não será conhecida até os balanços patrimoniais de 2008 serem publicados na primavera de 2009.


À medida que os ativos americanos perdiam o seu poder de atração, assim seus preços caíam. Isso significou uma queda nos preços dos ativos denominados em dólares ou nos dólares denominados em outras moedas. De fato, ajustado para a inflação, o dólar está quase num nível tão baixo ante o euro como esteve contra o marco alemão, em 1992, quando a unificação alemã levou ao colapso do sistema monetário europeu.


Os preços das residências dos EUA também vêm caindo num ritmo acelerado, em muitas regiões, em mais de 10% ao ano. Os preços dos títulos lastreados em hipotecas negociados seguiram a trajetória de queda dos preços das residências. Apenas os preços do mercado de ações dos EUA permaneceram relativamente estáveis. A queda deles também é mera questão de tempo. Afinal, a relação preço/lucro nos EUA da Standard & Poor´s continua acima da sua média de longo prazo - 26,84 em 2007, na comparação com sua média de longo prazo desde 1881, de 16,31.


Esse colapso de ativos é o motivo para a provável recessão. Primeiro, os consumidores, confrontados com crédito mais apertado e queda nos valores das residências, precisarão reduzir os gastos, desacelerando o crescimento da economia dos EUA e afetando todos os países via comércio mundial. Segundo, agora que os bancos estão perdendo somas expressivas de capital social, as estimativas agora chegam a US$ 300 bilhões e mais - a necessidade de manter os coeficientes de endividamento em relação ao patrimônio num nível mínimo os obrigará a restringir os empréstimos corporativos, obstruindo a demanda de investimentos.


É verdade, o Federal Reserve dos EUA tentou evitar uma recessão por meio do corte das suas taxas de juros. Mas o Fed não pode conceder mais capital social e evitar um aperto no crédito. Mais promissor é o corte de impostos de US$ 150 bilhões aprovado recentemente pelo Congresso dos EUA. O montante, equivalente a 1% do PIB dos EUA, é expressivo por qualquer critério. Se será suficiente para compensar os proprietários de residências pelas perdas de patrimônio decorrentes dos preços declinantes das residências e para evitar a iminente recessão, é algo a ser visto. Independente do que acontecer, porém, a festa acabou.


Hans-Werner Sinn é livre-docente de Economia e Finanças Públicas na Universidade de Munique e presidente do Instituto Ifo. © Project Syndicate/Europe´s World, 2008. www.project-syndicate.org


Escrito por SALSFI às 00h15
[] [envie esta mensagem]


 
  

Santos Brasil ganha licitação para operar terminal em Porto de Imbituba

Valor Online - 14/03/2008 20:15


SÃO PAULO - A Santos Brasil anunciou que venceu uma licitação para operar o terminal de contêineres do Porto de Imbituba, no Estado de Santa Catarina. Para ter o direito de arrendar o terminal por 25 anos, a empresa pagará R$ 120 milhões.

Em 2007, Imbituba movimentou aproximadamente 18.000 TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés - 6 metros - de comprimento), embora a configuração atual do cais acostável e do pátio disponível permitam a movimentação de 150.000 TEU/ano. Atualmente, os principais itens de exportação do porto são produtos de madeira, fumo, cerâmica e frango congelado.

Em comunicado, a Santos Brasil informa que tem planos para expandir a capacidade do porto para até 950.000 TEU/ano. Para tanto, a empresa projeta investimentos de aproximadamente R$ 283 milhões.

A operação está sujeita à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).



Escrito por SALSFI às 00h07
[] [envie esta mensagem]


 
  

Setor financeiro derruba Wall Street; ações do Bear Stearns despencam 47,4%

Valor Online -14/03/2008 19:16

SÃO PAULO - Os problemas de liquidez do banco Bear Stearns derrubaram as bolsas de valores nova-iorquinas. Novamente o mercado foi assaltado pelos temores de que a crise originada com as hipotecas de alto risco (subprime) ainda fará vítimas no setor financeiro.

O Dow Jones Industrial recuou 1,6%, aos 11.951,09 pontos, ganhando 0,5% na semana. O eletrônico Nasdaq Composite caiu 2,3%, aos 2.212,49 pontos, estável na semana. O S & P 500 fechou aos 1.288,14 pontos, com queda de 2,1% no dia e alta de 0,4% na semana.

Hoje, o Bear Stearns admitiu que sua posição de liquidez nas últimas 24 horas "se deteriorou significativamente" e informou ter alcançado um acordo com o JP Morgan Chase & Co. sobre uma linha de empréstimo por até 28 dias. O JP Morgan captará os recursos de uma linha fornecida pelo Fed de Nova York.

A notícia espalhou preocupação no mercado, principalmente porque o Bear Stearns vinha dizendo que não estava com problemas. As ações do banco despencaram 47,4% hoje e influenciaram todo o setor financeiro. Citigroup perdeu 6,1% e JP Morgan recuou 4,1%.

O pessimismo se espalhou por setores variados, provocando a queda de papéis como General Motors (-5,4%), Microsoft (-2,3%) e Coca-Cola (-2,4%). Dos 30 componentes do índice Dow Jones, apenas um subiu: Boeing avançou 2,7% depois que o banco Morgan Stanley melhorou a recomendação das ações.


Escrito por SALSFI às 19h51
[] [envie esta mensagem]


 
  

Lucro da Unipar cresce 60% e atinge R$ 145 milhões em 2007


A União de Indústrias Petroquímicas (Unipar) alcançou em 2007 lucro líquido de R$ 145 milhões, montante 60% maior do que o apurado no ano anterior, quando a empresa lucrou R$ 90,5 milhões.

De acordo com a companhia, que se associou com a Petrobras em novembro para controlar a Companhia Petroquímica do Sudeste (CPS), o resultado é fruto do bom desempenho na produção de eteno-polietilenos, conduzida pela Petroquímica União, Riopol e Polietilenos União.

O Ebtida (lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização) da empresa cresceu 32% em relação a 2006 e atingiu R$ 425 milhões. A receita líquida atingiu R$ 545,955 milhões no período, ligeiramente abaixo dos R$ 547,893 milhões registrados em 2006.

Segundo a empresa, no ano passado houve aumento de 11% nas vendas físicas, mas em termos de preço não houve mudança relevante em relação a 2006. Ao mesmo tempo, as despesas operacionais líquidas subiram de R$ 247,6 milhões em 2006, para R$ 290,6 milhões no ano passado.


Já no quarto trimestre o lucro líquido encolheu para R$ 16,131 milhões, contra R$ 43,203 milhões verificados no mesmo trimestre de 2006. O resultado ficou abaixo também do apurado no terceiro trimestre de 2007, quando o lucro líquido foi de R$ 46,6 milhões. De acordo com a Unipar, o resultado apurado entre julho e setembro do ano passado foi impactado positivamente por conta de uma multa paga pelo consórcio que demorou a entregar as obras de construção da Rio Polímeros (Riopol), a empresa do pólo gás-químico do Rio de Janeiro, sua controlada.


Escrito por SALSFI às 19h13
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO
 11/09/2016 a 17/09/2016
 06/09/2015 a 12/09/2015
 18/01/2015 a 24/01/2015
 09/11/2014 a 15/11/2014
 26/10/2014 a 01/11/2014
 15/06/2014 a 21/06/2014
 06/04/2014 a 12/04/2014
 02/02/2014 a 08/02/2014
 13/10/2013 a 19/10/2013
 12/05/2013 a 18/05/2013
 21/04/2013 a 27/04/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 10/02/2013 a 16/02/2013
 25/11/2012 a 01/12/2012
 29/07/2012 a 04/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 29/01/2012 a 04/02/2012
 11/09/2011 a 17/09/2011
 04/09/2011 a 10/09/2011
 28/08/2011 a 03/09/2011
 24/07/2011 a 30/07/2011
 10/07/2011 a 16/07/2011
 03/07/2011 a 09/07/2011
 29/05/2011 a 04/06/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 27/03/2011 a 02/04/2011
 13/03/2011 a 19/03/2011
 06/03/2011 a 12/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 19/12/2010 a 25/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 04/07/2010 a 10/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 11/04/2010 a 17/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 28/03/2010 a 03/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 22/11/2009 a 28/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 22/03/2009 a 28/03/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 22/02/2009 a 28/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 16/07/2006 a 22/07/2006
 25/06/2006 a 01/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 19/06/2005 a 25/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005
 23/01/2005 a 29/01/2005
 16/01/2005 a 22/01/2005
 19/12/2004 a 25/12/2004
 28/11/2004 a 04/12/2004
 21/11/2004 a 27/11/2004
 14/11/2004 a 20/11/2004
 07/11/2004 a 13/11/2004
 31/10/2004 a 06/11/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004



OUTROS SITES
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 ARTIGOS ECONÔMICOS
 CRÔNICAS E ARTIGOS


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!