SALSIFI INVESTMENTS
   Rio Tinto pode buscar Vale para fugir da BHP Billiton
Vera Saavedra Durão -09/11/2007
 

O mercado de mineração se agitou ontem ao tomar conhecimento da proposta de aquisição do grupo anglo-australiano Rio Tinto Rio Tinto feita pela BHP Billiton, maior mineradora do mundo. A oferta foi rejeitada, segundo informou a própria BHP, em comunicado. A intenção da líder global do setor é buscar nova aproximação da Rio Tinto. Se tiver sucesso, a BHP poderá realizar a maior aquisição da história da mineração.


A companhia anglo-australiana teve ontem a maior alta, de 21,75%, do índice FTSE-100 da Bolsa de Londres. Já a BHP Billiton, registrou queda de 5,69% em suas ações na bolsa londrina. Em Nova York, a Vale do Rio Doce teve uma alta de 3,13% nas ADRs ON, enquanto os de preferenciais subiram 3,36%, num dia de mercado derretendo.


Para Rodrigo Ferraz, da Corretora Brascan, este movimento da BHP Billiton gera um impacto indireto sobre brasileira Vale do Rio Doce. " O mercado vai começar a prestar atenção nas grandes mineradoras por estarem buscando mais consolidação do que já têm. A BHP Billiton já é resultado da fusão da australiana BHP com a inglesa Billiton", lembrou.


Com base neste raciocínio, um investidor em mineração avaliou que dificilmente a Rio Tinto conseguiria uma proposta de compra de outra empresa do setor. O que ele acredita que poderia acontecer, neste processo de consolidação como alternativa à oferta da BHP Billiton, seria a Rio Tinto buscar negociação de uma fusão com a Vale. A mineradora brasileira não quis comentar o assunto.


Pedro Galdi, analista de mineração do ABN Amro, não acha que a Vale seja atraída por uma o peração deste tipo. "Não faz o perfil dos seus controladores. A Vale faz aquisições estratégicas, como uma empresa de níquel, caso da canadense Inco, por exemplo, ou uma Alcan, canadense de alumínio vendida para a Rio Tinto. A Alcoa (outra companhia de alumínio) pode ser alvo da brasileira. Mas Roger Agnelli (presidente executivo da Vale) bate na questão de que alumínio é energia pura. Daí que a mineradora só compraria estes ativos lá fora, num país com energia barata", destacou Galdi.


No seu cenário, não enxerga a Vale fazendo no curto e médio prazo nenhuma aquisição gigantesca, na faixa de US$ 100 bilhões, como é o caso da Rio Tinto. "Podemos até ter alguma surpresa entre meados e fim de 2008, vendo a Vale comprar algo maior. Se encontrar algo disponível, até mesmo agora, pode fazer algumas aquisições menores, na faixa próxima do valor da Inco, que custou US$ 18 bilhões".


Na avaliação dos analistas, uma oferta do tipo que a BHP Billiton fez à Rio Tinto pode ser barrada pelos órgãos antitruste. Esta fusão, caso ocorra, iria concentrar ainda mais o mercado de minério de ferro, dominado por três companhias. Vale, Rio Tinto e BHP Billiton respondem por 80% da oferta do produto no mundo. BHP Billiton e Rio Tinto, juntas, produzem cerca de 264 milhões de toneladas de minério de ferro e se houvesse uma fusão, passariam, Vale e nova empresa, a dominar três quartos do mercado de minério.


Ferraz, da Brascan, acredita que o apetite da BHP Billiton pela Rio Tinto seja estimulado pelo minério de ferro. A Rio TInto é a segunda maior vendedora do produto, depois da Vale. O minério está em alta, com mercado cada vez mais apertado e em breve terá seu preço reajustado para 2008 numa faixa entre 25% a 50%, como projetam analistas.


Escrito por SALSFI às 00h20
[] [envie esta mensagem]


 
   Reservas do Brasil podem superar 70 bilhões
Francisco Góes, Rafael Rosas e Ana Paula Grabois - 09/11/2007

A Petrobras anunciou ontem a descoberta de uma nova província petrolífera, situada em mar a grandes profundidades, abaixo de uma camada de sal, capaz de colocar o Brasil, no futuro, entre os maiores países do mundo em termos de reservas de óleo e gás. O anúncio foi acompanhado pela aprovação de uma resolução no Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) determinando a exclusão de 41 blocos que seriam leiloados na 9 Rodada de licitações da Agência Nacional do Petróleo (ANP), nos dias 27 e 28 deste mês. Estes blocos estão na área de influência da nova fronteira exploratória e têm grande potencial de descobertas.


No campo de Tupi, na Bacia de Santos, que fica dentro da nova província petrolífera, a Petrobras estimou volume recuperável de óleo leve de alto valor comercial (28 graus API) entre 5 bilhões e 8 bilhões de barris de petróleo e gás natural. Só esta descoberta poderá aumentar em mais de 50% as atuais reservas de petróleo e gás natural do país, que somam 14,4 bilhões de barris de óleo equivalente (Boe).


O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, disse que quando toda a nova província petrolífera estiver sendo explorada, o Brasil deve ficar entre as oito ou nove maiores reservas do mundo. Hoje, a 8 posição no ranking de reservas mundiais de óleo e gás é da Venezuela, com 107 bilhões de barris de óleo equivalente. A Nigéria, 9 colocada, aparece com 69 bilhões de Boe. O Brasil ocupa a 24 posição, com 14,4 bilhões de Boe.


O diretor de exploração e produção da Petrobras, Guilherme Estrella, adiantou que a intenção da estatal é implantar um projeto-piloto de produção na área de Tupi, associado à produção de gás, de cerca de 100 mil barris/dia, a partir de 2010-2011. A Petrobras é a operadora do campo de Tupi, no qual tem participação de 65%. O restante está nas mãos da britânica BG, com 25%, e da Petrogal - Galp Energia, com 10%.


A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse que a decisão do CNPE de retirar os 41 blocos da rodada da ANP se baseou no interesse nacional: "É a preservação dos interesses do país diante da descoberta de uma riqueza de proporções significativas", afirmou a ministra, após participar, na sede da Petrobras, no Rio, de reunião extraordinária do CNPE, que contou com a presença do presidente Lula. Dos 312 blocos previstos na rodada, sobram agora 271.


Dilma negou que a medida tenha viés estatizante e comparou a situação ao cancelamento das concessões rodoviárias que, depois de terem as condições modificadas, foram leiloadas. "O mesmo nos propomos a fazer para os blocos retirados da rodada", disse a ministra. A ação representa, segundo ela, a preservação da soberania do país, do desenvolvimento da indústria. O objetivo será analisar como irá se explorar a nova riqueza petrolífera. Dilma avaliou que a nova província petrolífera fará o país mudar de patamar, saindo de uma posição intermediária para o primeiro escalão na produção de petróleo, passando a exportador.


A resolução n 6 do CNPE, aprovada ontem, também determina ao Ministério de Minas e Energia e à ANP a adoção das providências necessárias para a conclusão da 8 Rodada de Licitações, que foi interrompida por decisões judiciais. Dos 284 blocos previstos, com foco em gás natural e óleo leve, só 38 foram arrematados devido a duas liminares judiciais. As liminares, derrubadas depois pelo Supremo Tribunal Federal (STF), foram motivadas pela limitação imposta pela ANP no edital ao número de blocos que uma empresa operadora poderia arrematar.


O ministro de Minas e Energia. Nélson Hubner, presidente do CNPE, disse que a resolução do conselho determina rigorosa observação dos direitos adquiridos e atos jurídicos perfeitos, relativos às áreas concedidas ou arrematadas em leilões da ANP. A resolução também levará o Ministério de Minas e Energia a avaliar, a curto prazo, as mudanças necessárias no marco legal que contemplem "um novo paradigma de exploração e produção de petróleo e gás natural" em decorrência da nova província petrolífera.


A nova fronteira exploratória se estende por mais de 800 quilômetros, de Santa Catarina ao Espírito Santo, e tem até 200 quilômetros de largura. Inclui as bacias do Espírito Santo, Campos e Santos, em rochas denominadas pré-sal, espécie de "segundo subsolo" das bacias petrolíferas. Segundo a Petrobras, o pré-sal são rochas reservatórios que se encontram abaixo de extensa camada de sal. Os reservatórios situam-se em lâmina d´água que varia de 1,5 mil a 3 mil metros de profundidade. Para chegar até eles, é preciso furar ainda 3 mil a 4 mil metros de rocha.


Para atingir as camadas de pré-sal, entre 5 mil e 7 mil metros de profundidade, a Petrobras desenvolveu novos projetos de perfuração. Nos últimos dois anos, foram perfurados 15 poços, com investimentos de US$ 1 bilhão, que atingiram as camadas pré-sal. Do total, oito poços responderam de forma positiva em produção. Os reservatórios perfurados na Bacia de Santos são semelhantes aos da Bacia do Espírito Santo, o que, para a Petrobras, reforça a hipótese de extensão dos reservatórios na área.


Gabrielli disse que o plano de investimentos da empresa, que prevê aplicação de US$ 112 bilhões até 2012, não contempla investimentos no pré-sal. "Provavelmente o valor vai subir." O diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa, disse que a entrada em operação do campo de Tupi, em camada de pré-sal na Bacia de Santos, prevista para acontecer em até seis anos, contribuirá para redução das importações de óleo leve e diesel feitas pela companhia.


Hoje, segundo o executivo, a Petrobras importa 300 mil barris diários de óleo leve. Gabrielli disse que das áreas com possibilidade de ocorrência de hidrocarbonetos na camada de pré-sal do litoral brasileiro, cerca de 25% estão atualmente sob concessão. Desses 25%, a Petrobras atua em 70% dos blocos, sozinha ou em parceria. Segundo Guilherme Estrella, a previsão é declarar a "comercialidade" de um primeiro campo na área do pré-sal, no Espírito Santo, em 2009. "Confirmando-se os testes na área de Parque das Baleias, vamos interligar o poço à plataforma já instalada no Espírito Santo.".


O diretor disse que a tecnologia de produção para operar neste tipo de campo está disponível, mas o custo é alto. "A tecnologia vai ser aplicada na redução de custos", disse Estrella. Ele salientou que os campos estão situados a 250 quilômetros da costa. Ele também informou que a Petrobras está em contato com empresas que detêm tecnologia para aproveitamento do gás dos campos no próprio local. Uma alternativa é instalar térmicas flutuantes que poderiam enviar energia para o continente por meio de cabos submarinos. (* Do Valor Online)

 
Notícias Relacionadas


Escrito por SALSFI às 00h00
[] [envie esta mensagem]


 
   Novas reservas de óleo provocam euforia
Francisco Góes  -  09/11/2007
 



A Petrobras anunciou ontem que o campo de Tupi, na Bacia de Santos, possui estoques de 5 a 8 bilhões de barris de óleo equivalente de petróleo e gás natural. O campo faz parte de uma reserva ainda maior, que pode colocar o país entre os maiores produtores mundiais. O anúncio foi acompanhado pela aprovação de uma resolução do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) que excluiu 41 blocos da área de influência da nova fronteira exploratória que seriam leiloados na 9 rodada de licitações da Agência Nacional do Petróleo, no fim do mês. A medida desagradou as empresas privadas do setor que operam no país.


O campo de Tupi é o maior descoberto no Brasil e representa um aumento entre 40% e 55% nas reservas atuais, de 14,4 bilhões de barris. O óleo descoberto está situado abaixo da camada de sal, em águas ultraprofundas, e é de qualidade comercial superior à média das reservas do país.


A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse que a decisão do CNPE se baseou no interesse nacional: "É a preservação dos interesses do país diante da descoberta de uma riqueza de proporções significativas". Ela negou que a medida tenha um viés estatizante e comparou a situação ao cancelamento das concessões rodoviárias que, depois de terem as condições modificadas, foram a leilão. Ontem, as ações da Petrobras subiram 14,16% na Bovespa.


Escrito por SALSFI às 23h18
[] [envie esta mensagem]


 
  

08/11/2007 - 11h25

Petrobras confirma reservas gigantes de óleo e gás em Tupi

 

 

 

da Folha Online, no Rio

A Petrobras informou nesta quinta-feira que os testes no campo de Tupi, na Bacia de Santos, indicam um volume recuperável de 5 bilhões a 8 bilhões de barris de óleo e gás natural.

A área avaliada está na região denominada de pré-sal, onde os reservatórios se encontram abaixo de uma extensa camada de sal, localizada até a 5.000 metros de profundidade.

Os testes foram feitos no poço 1-RJS-646, que está no bloco BMS-S-11. O petróleo encontrado tem 28º API. O óleo é mais leve à medida que seu grau é mais elevado. O óleo pesado da Bacia de Campos, por exemplo, tem de 17 º API a 20º API.

A Petrobras é operadora do bloco e detém 65% do ativo. As sócias são a britânica BG Group, com 25%, e a portuguesa Petrogal - Galp Energia, com 10%.

"A Petrobras realizou, também, uma avaliação regional do potencial petrolífero do pré-sal que se estende nas bacias do Sul e Sudeste brasileiros. Os volumes recuperáveis estimados de óleo e gás para os reservatórios do pré-sal, se confirmados, elevarão significativamente a quantidade de óleo existente em bacias brasileiras, colocando o Brasil entre os países com grandes reservas de petróleo e gás do mundo', disse a estatal em comunicado.

Leia mais

*                    Brasil e Bolívia criarão empresas mistas para exploração

*                    Distribuidoras sabiam da possibilidade de redução de gás, diz Petrobras

*                    São Paulo e Rio respondem por 75% da frota movida a gás

*                    Ministro desaconselha conversão de carro para gás

*                    Lula minimiza problema do gás e diz que Brasil tem energia até 2012

*                    Crise não impôs volta à Bolívia, diz Petrobras

Especial

*                    Leia o que já foi publicado sobre a Petrobras



Escrito por SALSFI às 07h04
[] [envie esta mensagem]


 
   BHP FAZ OFERTA PELA RIO TINTO

AP
Rio Tinto Shares Soar on Takeover Offer

Friday November 9, 1:09 am ET

 

Shares in Global Miner Rio Tinto Soar After $100 Billion Takeover Offer by BHP Billiton

MELBOURNE, Australia (AP) -- Shares in global miner Rio Tinto PLC soared Friday, matching a move in London after world's largest miner, BHP Billiton PLC, confirmed it made an all-stock takeover offer that could be worth more than $100 billion.

 

 

The acquisition could become the world's largest since Vodafone AirTouch's $172.2 billion takeover of German telco Mannesmann in a deal completed in 2000.

Despite London-based Rio Tinto's rejection of BHP Billiton's 3-for-1 share offer, the share price gains indicate that investors expect BHP Billiton to continue its pursuit of its rival or that another bidder will emerge.

By midday, shares of Rio Tinto were up 16 percent at 131.35 Australian dollars ($121.91), and BHP Billiton shares were down 0.9 percent at 42.87 Australian dollars ($39.78) on the Australian stock exchange in Sydney.

BHP Billiton said after the Australian market closed Thursday that it had approached Rio Tinto in a deal, according to deal tracker Dealogic PLC, worth $113 billion.

In London, where both companies are also listed, Rio Tinto's share price jumped 22 percent and BHP Billiton's fell 5.7 percent.

Analysts say BHP would have to increase its 3-for-1 share offer to at least a 3 1/2-for-1 to encourage Rio to enter into discussions.

"It is not surprising that Rio Tinto's board rejected the offer from BHP given the premiums being offered in other takeovers," said financier ABN AMRO analyst Warren Edney.

Tony Robson, an analyst at financier BMO Capital Markets, said BHP Billiton's offer sets the agenda only, leaving the door open for revised terms. Banks would be lining up to provide debt to sweeten the offer, Robson said.

A BHP Billiton official said Friday there was nothing further to add to Thursday's statement, and a Rio Tinto spokesman would not immediately comment.

BHP Billiton said Thursday it wrote to Rio Tinto twice and now "intends to continue to seek an opportunity to meet and discuss its proposal with Rio Tinto."

Rio Tinto's objection to the deal is that it "significantly undervalues" the company, it said in a statement.

The Australian Competition and Consumer Commission said Friday that concerns about dominance of Australia's iron ore market would be central to any investigation into a merger. The deal would need the approval of Australian regulators.

Prime Minister John Howard said any merger was a matter for the companies' shareholders and directors to decide.

"Anything that strengthens the focus on Australia as an economic powerhouse is good for this country," Howard told Melbourne Radio 3AW.

BHP Billiton, Rio Tinto and Brazil's Companhia Vale do Rio Doce account for 70 percent of all global iron ore sales. BHP Billiton accounts for around 15 percent of world iron ore sales, while Rio Tinto is responsible for 24 percent, which would put the combined company at 39 percent.

CVRD, the world's largest iron ore producer and exporter, declined to comment on the news.

Earlier this year, speculation swirled that CVRD would team with BHP Billiton in a joint bid for Rio Tinto, then break up the company.

At $113 billion, the deal would exceed October's $95 billion takeover of Dutch bank ABN Amro Holding NV by a consortium of banks led by Royal Bank of Scotland PLC, the largest merger-and-acquisition deal so far this year.

 



Escrito por SALSFI às 06h30
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO
 11/09/2016 a 17/09/2016
 06/09/2015 a 12/09/2015
 18/01/2015 a 24/01/2015
 09/11/2014 a 15/11/2014
 26/10/2014 a 01/11/2014
 15/06/2014 a 21/06/2014
 06/04/2014 a 12/04/2014
 02/02/2014 a 08/02/2014
 13/10/2013 a 19/10/2013
 12/05/2013 a 18/05/2013
 21/04/2013 a 27/04/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 10/02/2013 a 16/02/2013
 25/11/2012 a 01/12/2012
 29/07/2012 a 04/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 29/01/2012 a 04/02/2012
 11/09/2011 a 17/09/2011
 04/09/2011 a 10/09/2011
 28/08/2011 a 03/09/2011
 24/07/2011 a 30/07/2011
 10/07/2011 a 16/07/2011
 03/07/2011 a 09/07/2011
 29/05/2011 a 04/06/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 27/03/2011 a 02/04/2011
 13/03/2011 a 19/03/2011
 06/03/2011 a 12/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 19/12/2010 a 25/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 04/07/2010 a 10/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 11/04/2010 a 17/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 28/03/2010 a 03/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 22/11/2009 a 28/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 22/03/2009 a 28/03/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 22/02/2009 a 28/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 16/07/2006 a 22/07/2006
 25/06/2006 a 01/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 19/06/2005 a 25/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005
 23/01/2005 a 29/01/2005
 16/01/2005 a 22/01/2005
 19/12/2004 a 25/12/2004
 28/11/2004 a 04/12/2004
 21/11/2004 a 27/11/2004
 14/11/2004 a 20/11/2004
 07/11/2004 a 13/11/2004
 31/10/2004 a 06/11/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004



OUTROS SITES
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 ARTIGOS ECONÔMICOS
 CRÔNICAS E ARTIGOS


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!