SALSIFI INVESTMENTS
   Reserva elevada é equívoco, diz FMI
Ricardo Balthazar - 10/10/2007
Países como o Brasil adotam uma estratégia equivocada ao intervir no mercado para tentar conter as pressões geradas pelos crescentes fluxos de capital externo que os países emergentes têm recebido, adverte o Fundo Monetário Internacional (FMI) num estudo divulgado ontem.


Na avaliação da instituição, acumular divisas para evitar uma valorização excessiva da moeda local em relação ao dólar, como o Banco Central brasileiro vem fazendo há alguns anos, é uma medida ineficaz que torna ainda mais complicada a gestão da política econômica e gera outros custos indesejáveis.


O estudo faz parte da nova edição do relatório semestral do Fundo sobre o cenário econômico mundial, cuja íntegra será divulgada na semana que vem. O trabalho é resultado de uma análise cuidadosa que seus economistas fizeram das experiências do Brasil e de outros 49 países nas duas últimas décadas.


"O acúmulo de reservas internacionais necessário para evitar a apreciação da taxa de câmbio pode levar a condições monetárias excessivamente frouxas, criando assim o potencial para superaquecimento [da economia] e vulnerabilidades do sistema financeiro", afirma o Fundo.


O Brasil acumulou nos últimos anos US$ 162 bilhões em reservas, dinheiro suficiente para liquidar grande parte da dívida externa do país. Mesmo assim, o real continuou se valorizando em relação ao dólar, o que reduz a lucratividade de alguns setores exportadores e afeta a competitividade de outros.


O estudo do FMI tem caráter genérico e não contém nenhuma reprovação explícita ao Brasil. Mas a distância entre suas recomendações e o caminho seguido pelas autoridades brasileiras é evidente, e os funcionários do Fundo que monitoram a economia do país têm manifestado freqüentemente sua preocupação com os custos da política de acumulação de reservas.


De acordo com o estudo, países que intervieram no mercado para conter a pressão sobre suas moedas em outros períodos de oferta abundante de capital externo tiveram dificuldades para conter a inflação e evitar uma desaceleração acentuada da atividade econômica mais tarde, quando esses fluxos foram interrompidos por crises financeiras.


Como observam os economistas do Fundo, um dos problemas que as intervenções criam é a necessidade de "esterilizar" seus efeitos emitindo títulos públicos no mercado, para compensar a oferta de moeda gerada pela compra de dólares pelo BC e evitar que ela provoque um aquecimento excessivo da economia.


Essa política gera custos para o BC, que paga juros altos para rolar seus títulos e recebe rendimentos menores pelas reservas acumuladas. Além disso, a manutenção de taxas de juros elevadas "mantém os incentivos para a continuidade da entrada de capital, assim perpetuando o problema", como diz o estudo.


O FMI calcula que o fluxo de capital externo para países emergentes atingirá neste ano quase US$ 500 bilhões, mais do que o dobro do volume observado no ano anterior. Em termos relativos, comparado com o Produto Interno Bruto (PIB) desses países, o fluxo atual é mais intenso que o verificado na primeira parte da década de 90, antes da crise asiática de 1997-98.


O Fundo reconhece que a situação atual é diferente. A maioria dos países emergentes hoje em dia é menos vulnerável a uma interrupção súbita nos fluxos de capital externo, em parte graças à política de acumulação de reservas que a maioria adotou nos últimos anos. Mas o Fundo acha que os países deveriam se prevenir para evitar dificuldades quando a paisagem mudar.


O estudo do FMI recomenda que os países aproveitem o aumento de receitas obtido com a entrada de divisas e o aquecimento da economia para poupar, em vez de aumentar os gastos públicos como o governo brasileiro vem fazendo. Segundo o Fundo, países que apertaram os gastos tiveram melhores condições de estimular a economia depois que os dólares sumiram.


Reafirmando uma conhecida posição da instituição, o estudo do FMI desaconselha o uso de controles de capitais, medidas administrativas desenhadas para inibir a entrada de capitais especulativos e evitar saídas repentinas de recursos. Para o Fundo, os controles são facilmente driblados pelos investidores e criam outros problemas, como o aumento nos custos das empresas para obter financiamento.





Escrito por SALSFI às 06h39
[] [envie esta mensagem]


 
   Ibovespa atinge o nirvana após 63 mil
Daniele Camba -10/10/2007

 




A bolsa chegou ao nirvana ontem. Depois da queda agressiva de meio ponto percentual na queda da taxa de juros americana, faltava apenas uma forte sinalização de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) continuaria a cortar os juros para que a bolsa virasse definitivamente a página da crise hipotecária. Não falta mais. A ata da última reunião do Fed, divulgada ontem, mostrando que a decisão pela queda de meio ponto foi unânime, foi a senha que o mercado precisava para acreditar piamente que haverá pelo menos mais um corte na próxima reunião do BC americano, no dia 31 deste mês. O raciocínio é que, se todos os integrantes do Fed optaram pela queda, pelo menos a maioria deles irá manter a postura, o que já será suficiente para um novo corte. Os investidores abandonaram de vez o pouco de receio que ainda restava e se jogaram no mercado. O Índice Bovespa fechou em alta de 1,42%, em 63.548 pontos, o novo recorde. É a primeira vez que o índice atinge 63 mil pontos.



Mercado eufórico com crença em corte do Fed


As vedetes do mercado brasileiro, Vale do Rio Doce e Petrobras, contribuíram para a euforia. As preferenciais (PN, sem direito a voto) série B da mineradora subiram 2,14% e as PNs da estatal, 2,10%. Como as duas são as ações mais importantes dentro do Ibovespa, esse tipo de alta reverbera de uma maneira bem maior no desempenho do índice.




Escrito por SALSFI às 06h37
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO
 11/09/2016 a 17/09/2016
 06/09/2015 a 12/09/2015
 18/01/2015 a 24/01/2015
 09/11/2014 a 15/11/2014
 26/10/2014 a 01/11/2014
 15/06/2014 a 21/06/2014
 06/04/2014 a 12/04/2014
 02/02/2014 a 08/02/2014
 13/10/2013 a 19/10/2013
 12/05/2013 a 18/05/2013
 21/04/2013 a 27/04/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 10/02/2013 a 16/02/2013
 25/11/2012 a 01/12/2012
 29/07/2012 a 04/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 29/01/2012 a 04/02/2012
 11/09/2011 a 17/09/2011
 04/09/2011 a 10/09/2011
 28/08/2011 a 03/09/2011
 24/07/2011 a 30/07/2011
 10/07/2011 a 16/07/2011
 03/07/2011 a 09/07/2011
 29/05/2011 a 04/06/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 27/03/2011 a 02/04/2011
 13/03/2011 a 19/03/2011
 06/03/2011 a 12/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 19/12/2010 a 25/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 04/07/2010 a 10/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 11/04/2010 a 17/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 28/03/2010 a 03/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 22/11/2009 a 28/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 22/03/2009 a 28/03/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 22/02/2009 a 28/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 16/07/2006 a 22/07/2006
 25/06/2006 a 01/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 19/06/2005 a 25/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005
 23/01/2005 a 29/01/2005
 16/01/2005 a 22/01/2005
 19/12/2004 a 25/12/2004
 28/11/2004 a 04/12/2004
 21/11/2004 a 27/11/2004
 14/11/2004 a 20/11/2004
 07/11/2004 a 13/11/2004
 31/10/2004 a 06/11/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004



OUTROS SITES
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 ARTIGOS ECONÔMICOS
 CRÔNICAS E ARTIGOS


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!