SALSIFI INVESTMENTS
   Furacões "arrasam" as apólices nos EUA
The Economist
16/06/2006


A chegada do verão no hemisfério norte, tão ansiosamente aguardada por muitos, é uma época agourenta para milhões de pessoas que vivem no chamado cinturão dos furações nos Estados Unidos. Segundo as previsões, a temporada de tempestades de 2006 poderá ser tão ruim quando a do ano passado.
AP Photo/Darron Cummings
Destruição provocada pelo Katrina em Mississipi: sozinho, o pior furacão do ano respondeu por perdas de US$ 38 bi


Enquanto milhares de pessoas ainda não conseguiram retornar para suas casas danificadas ou destruídas, aqueles que tiveram tal sorte no ano passado se preparam agora para a possibilidade de mais tempo ruim pela frente. Em quartéis do corpo de bombeiros, asilos e igrejas da região, as cidades estão realizando "feiras" de preparação para os furacões que se aproximam.

Do Texas à Flórida e subindo a costa leste, um dos problemas mais difíceis para os proprietários de imóveis próximos do mar é o seguro. No ano passado, depois de 2004 já ter sido um ano fraco, tempestades provocaram perdas recordes de US$ 54,8 bilhões para as seguradoras, segundo o Insurance Information Institute, um grupo setorial. Desse total, o furacão Katrina respondeu sozinho por mais de US$ 38 bilhões.

Escaldadas, as seguradoras estão reduzindo sua exposição às áreas costeiras. A Allstate, uma das maiores seguradoras de imóveis e propriedades dos Estados Unidos, parou de subscrever apólices para proprietários de residências na Flórida, Louisiana e partes do Texas e Nova York.

A State Farm, outra grande seguradora, não renovou algumas apólices. Em abril, a Poe Financial, quarta maior seguradora pessoal da Flórida, quebrou, deixando 316 mil detentores de apólices sem cobertura. Um novo relatório da agência de classificação de crédito Fitch chama o mercado de seguros da Flórida de "extremamente frágil". Mais para o norte, este mês a National Grange começou a informar a seus clientes de Cape Cod, no Estado de Massachusetts, que não vai renovar suas apólices.



Escrito por SALSFI às 05h50
[] [envie esta mensagem]


 
   AS APÓLICES E OS FURACÕES

Isso é mau agouro para os proprietários de imóveis porque a National Oceanic and Atmospheric Administration, um órgão do governo federal americano encarregado de monitorar as condições climáticas, afirma que até 17 tempestades tropicais poderão se formar no Oceano Atlântico este ano. Ela acredita que até dez delas poderão se transformar em furacões. William Gray, meteorologista da Colorado State University, prevê 17 tempestades que receberão nomes, menos que o total do ano passado, que foi de 27, mas ainda assim um número grande. A Flórida, o Estado ensolarado, possui o maior valor de imóveis expostos a furacões, seguido do Estado de Nova York.

Diante dessa ameaça, os proprietários de residências que podem conseguir uma cobertura do seguro se deparam com taxas muito maiores. Alguns prêmios subiram até 200%. As seguradoras primárias atribuem parte desse aumento aos maiores preços cobrados pela resseguradoras (que fornecem seguros para as seguradoras).

Muitos moradoras não conseguem cobertura privada de nenhum tipo. Como resultado, os planos de seguros apoiados pelo Estado, que deveriam fornecer cobertura de última instância, estão tendo uma procura enorme. A Citizens Property Insurance, um pool administrado pelo Estado da Flórida, poderá acabar com mais de 1 milhão - talvez até 1,5 milhão - de apólices este ano, ante 850 mil no fim de abril. A Citizens, que teve um déficit combinado de US$ 2,2 bilhões nos últimos dois anos, está repondo essas perdas com aumentos nas taxas, um imposto cobrado sobre as apólices de seguros residenciais feitas com seguradoras privadas, e outros recursos previstos na legislação estadual.

A preocupação disseminada está provocando uma discussão sobre quem deveria pagar pelos danos provocados por tempestades no futuro. Os americanos migram pelas costas dos oceanos Pacífico e Atlântico há décadas, apesar dos riscos. Prêmios de seguros elevados, ou a falta de cobertura, refletem esses riscos: em tese, isso deveria desencorajar as pessoas de viverem nas regiões costeiras. Mesmo assim, milhões de pessoas ainda estão determinadas a viver nessas áreas, esperando receber cobertura do Estado caso as seguradoras privadas se recusem a fazer isso.

Robert Litan, economista da Brookings Institution, afirma que as seguradoras privadas não têm como suportar perdas na escala infligida pelo Katrina. Ao invés disso, o governo federal arca com as perdas provocadas por grandes catástrofes. Litan pede a criação de um programa federal de resseguros de catástrofes que forneça "seguros de contenção" contra grandes perdas. Ele diz que isso seria mais justo e mais eficiente do que a ajuda pós-desastre vista no passado. O problema é que isso serviria para encorajar ainda mais a migração para as regiões costeiras.

Os furacões não são o único motivo das seguradoras terem o tempo sempre em mente. O Lloyd's, o grande mercado segurador de Londres, emitiu um relatório sóbrio em 5 de junho, afirmando que a indústria se seguros precisa reavaliar, em âmbito mundial, seus modelos de subscrição, capital e formação de preços, para que eles reflitam as mudanças do clima ou os riscos. O tipo de modelos de catástrofes que o Lloyd's está sugerindo são usados cada vez mais por seguradoras privadas para ajudá-las na determinação dos riscos que elas estão dispostas a cobrir, e a que preços. A Fitch observa que em 1992, antes da disseminação desses modelos, dez seguradoras quebraram por causa do furacão Andrew. No ano passado, apesar das piores perdas já registradas com catástrofes de qualquer tipo, apenas três seguradoras americanas fecharam as portas.

Mesmo assim, aqueles que constroem os modelos admitem que eles subestimaram os danos resultantes das tempestades do ano passado. A RMS, uma das principais firmas de modelagem de catástrofes, anunciou um modelo completamente revisto poucas semanas atrás. A companhia acredita que um número maior de grandes furacões poderá atingir os EUA nos próximos cinco anos. Ela elevou suas projeções sobre as perdas provocadas por furacões para a Flórida, a região do Golfo do México e o resto do sudeste dos EUA em cerca de 40%.

As seguradoras primárias americanas, além de suas resseguradoras globais, estão agora calculando seus próprios números através desses modelos para atualizar as apólices subscritas. Provavelmente nada disso será um bom presságio para os proprietários de imóveis da Flórida.


Escrito por SALSFI às 05h49
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO
 11/09/2016 a 17/09/2016
 06/09/2015 a 12/09/2015
 18/01/2015 a 24/01/2015
 09/11/2014 a 15/11/2014
 26/10/2014 a 01/11/2014
 15/06/2014 a 21/06/2014
 06/04/2014 a 12/04/2014
 02/02/2014 a 08/02/2014
 13/10/2013 a 19/10/2013
 12/05/2013 a 18/05/2013
 21/04/2013 a 27/04/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 10/02/2013 a 16/02/2013
 25/11/2012 a 01/12/2012
 29/07/2012 a 04/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 29/01/2012 a 04/02/2012
 11/09/2011 a 17/09/2011
 04/09/2011 a 10/09/2011
 28/08/2011 a 03/09/2011
 24/07/2011 a 30/07/2011
 10/07/2011 a 16/07/2011
 03/07/2011 a 09/07/2011
 29/05/2011 a 04/06/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 27/03/2011 a 02/04/2011
 13/03/2011 a 19/03/2011
 06/03/2011 a 12/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 19/12/2010 a 25/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 04/07/2010 a 10/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 11/04/2010 a 17/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 28/03/2010 a 03/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 22/11/2009 a 28/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 22/03/2009 a 28/03/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 22/02/2009 a 28/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 16/07/2006 a 22/07/2006
 25/06/2006 a 01/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 19/06/2005 a 25/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005
 23/01/2005 a 29/01/2005
 16/01/2005 a 22/01/2005
 19/12/2004 a 25/12/2004
 28/11/2004 a 04/12/2004
 21/11/2004 a 27/11/2004
 14/11/2004 a 20/11/2004
 07/11/2004 a 13/11/2004
 31/10/2004 a 06/11/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004



OUTROS SITES
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 ARTIGOS ECONÔMICOS
 CRÔNICAS E ARTIGOS


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!