SALSIFI INVESTMENTS
   SERIAM VOYEURS OS APROVEITADORES PALACIANOS

O SUPERÁVIT PRIMÁRIO E A PAGELANÇA DOS CÍNICOS

 

Salvador Sícoli Filho – 01/11/05

 

O governo sai da defensiva e ataca desordenadamente.

Agora se arvora em mentor de façanhas econômicas.

Nada mais falacioso.

O superávit primário hoje comemorado deve ser atribuído às empresas principalmente as grandes corporações como CVRD, Gerdau, Votorantin, Usiminas, CSN e tantas outras que, sem absolutamente nenhuma ajuda governamental, encabeçaram um gigantesco esforço de exportação e que induziu ao mágico equacionamento da contas de transações correntes, grande gargalo do período anterior.

 

Ao governo coube primeiro se aproveitar da façanha, como individualmente sempre foi a máxima presidencial através da política do “laissez-faire” e do “o meu pra cá, o meu pirão primeiro”. E em segundo lugar, nesta onda, pagar as contas de juros fratricidas que cercearam e continuam bloqueando um crescimento ao nível de nossos competidores externos e das nossas necessidades de incremento realístico da geração de empregos.

 

Quando nossas melhores empresas se esmeram em promover e cultuar padrões elevados de governança corporativa e de responsabilidade social torna-se frustrante e mais que isto, revoltante, confrontar-se no cotidiano com a falta de preparo, lassidão e subserviência a padrões aviltantes forjados na falta de ética de nossos atuais políticos e governantes.

 

O país está precisando de uma ensaboada geral e não sabemos os porquês de nossos melhores empresários não apregoarem em manifesto público a sua discordância com o “status quo”.

 

Isto também faz parte de uma boa governança. A influência a governos e a entidades para se pautarem por práticas lídimas e indutoras de canais sensatos que se formatem em exemplos para seus concidadãos.



Escrito por SALSFI às 08h20
[] [envie esta mensagem]


 
   O CHARUTO CUBANO E O CAIXA-DOIS DE LULA

Ique



Escrito por SALSFI às 07h32
[] [envie esta mensagem]


 
   ARTIGOS ESPECIAIS

ARTIGOS SOBRE O REFERENDO

Lições de um referendo inoportuno

Geraldo Tadeu    -   Cientista político e diretor-presidente do Instituto Brasileiro de Pesquisa Social - 23/10/05

A análise dos dados extraídos da pesquisa JB-IBPS inseridos no contexto político e ideológico atual, provoca-nos a sensação de uma consulta inoportuna. Em todos os sentidos, a discussão  neste momento sobre a proibição do comércio de armas de fogo e munição no Brasil contribuiu mais para confundir do que para esclarecer uma já perplexa opinião pública, sem verdadeiramente contribuir para o aprofundamento do debate acerca da violência e da política de segurança pública. A contundente vitória do “Não” no referendo de hoje, anunciada pela pesquisa, deve levar-nos a duas grandes reflexões: uma sobre como será o Brasil pós-referendo e uma segunda refere-se ao uso que se pode ou deve fazer do instrumento do referendo.

O referendo, como o plebiscito, é um meio de expressão direta da cidadania, cumprindo função diferente das eleições dos representantes. Na democracia direta, somos chamados a decidir sobre uma questão específica, sobre um tema de sociedade, como o regime político, o aborto ou a pena de morte. Os Estados Unidos aproveitam as eleições gerais para fazer o eleitor se posicionar em vários referendos locais, o que torna a discussão mais pertinente, mais real, embora não menos politizada e ideológica. No Brasil de dimensões continentais, um referendo (ou plebiscito) nacional aparece sempre como uma abstração. O que pode significar para o caboclo do Pará a diferença entre parlamentarismo e presidencialismo?

Acrescente-se a isso tudo a atual crise política e moral, o descrédito generalizado nas instituições públicas, em especial na polícia, e a manifesta ineficácia das políticas de segurança nos três níveis de governo e está preparado o caldo cultural em que o “Não” surge como uma resposta quase inevitável enquanto o “Sim” aparece como um devaneio de artistas e intelectuais, naquilo que parece ser sua “louca ingenuidade”.

A vitória do “Não” na pesquisa JB-IBPS representa uma condenação geral à insensibilidade da classe política que freqüentemente desloca o foco dos grandes problemas nacionais para temas que refletem mais seus próprios interesses. A grande maioria dos brasileiros acompanhou a campanha na televisão, mas só 60% acham que ela contribuiu para esclarecer a população sobre o que estava em jogo nesta votação. Daí circularem na internet as mais diferentes versões sobre interesses escusos que se esconderiam por trás de cada opção. Sabe-se que o boato medra e viça nas zonas cinzentas da desinformação. A impressão geral é de que vamos às urnas sem saber muito bem por que ou para quê. Vê-se ainda que a vivência da violência influencia decisivamente a opção, com 65% dos que declararam ter sofrido algum crime nos últimos 30 dias, escolhendo o “Não”.  As pesquisas de vitimização mostram que “sensação de violência” é real e corresponde à experiência cotidiana da pequena delinqüência, dos furtos e roubos nas cidades brasileiras, que atinge indiretamente quase vinte milhões de brasileiros. Como imaginar que, num contexto destes, se possa apelar para o desarmamento, em que a opção pela proibição às armas aparece como um ato unilateral da população sem a necessária contrapartida do governo? Muitos hoje não estarão votando propriamente pelo “direito” de comprar armas, mas contra a inércia governamental na área da segurança pública.

Se a vitória do “Não” é um fato, como será o Brasil pós-referendo? Vamos ver uma corrida às armas, cujo uso aparentemente seria visto como livre? Não é o que se anuncia. Muitos votarão no “não” menos por instinto belicista que para dar “uma lição nos políticos”. A maioria não deseja ter uma arma em casa, mas não se sente segura em “fazer a sua parte” sem que as autoridades façam a sua. As mortes por arma de fogo continuarão concentradas nas periferias urbanas, dizimando o mesmo jovem negro e pobre, que morre três vezes mais que a média, ou nas áreas rurais de conflito de terra. A política voluntária de desarmamento, que já recolheu mais de 450 mil armas, seguirá seu curso, pois não está em jogo neste referendo.

Por último e mais grave, cabe perguntar se estamos sabendo usar o referendo. Num país múltiplo, plural e continental como o Brasil, um referendo nacional sempre sofrerá de um déficit de legitimidade se não refletir as grandes inquietações nacionais. Ouve-se amiúde nas ruas: Por que não propor um referendo sobre a cassação dos políticos? Ou sobre o desemprego? E o caos na saúde pública, não mereceria um referendo? É preciso que repensemos o recurso ao referendo para que a democracia direta com que muitos temos sonhado não caia no descrédito da ineficácia. É, por isso, importante que, para além do resultado do pleito, possamos todos nós, sociedade e classe política, refletir sobre os usos que podemos fazer desta democracia que conquistamos.




Escrito por SALSFI às 10h51
[] [envie esta mensagem]


 
  

LIÇÕES DE UM REFERENDO INOPORTUNO

Geraldo Tadeu - Cientista Político e diretor presidente do Instituto Brasileiro de Pesquisa Social

A análise dos dados extraídos da pesquisa JB-IBPS inseridos no contexto político e ideológico atual, provoca-nos a sensação de uma consulta inoportuna. Em todos os sentidos, a discussão  neste momento sobre a proibição do comércio de armas de fogo e munição no Brasil contribuiu mais para confundir do que para esclarecer uma já perplexa opinião pública, sem verdadeiramente contribuir para o aprofundamento do debate acerca da violência e da política de segurança pública. A contundente vitória do “Não” no referendo de hoje, anunciada pela pesquisa, deve levar-nos a duas grandes reflexões: uma sobre como será o Brasil pós-referendo e uma segunda refere-se ao uso que se pode ou deve fazer do instrumento do referendo.

O referendo, como o plebiscito, é um meio de expressão direta da cidadania, cumprindo função diferente das eleições dos representantes. Na democracia direta, somos chamados a decidir sobre uma questão específica, sobre um tema de sociedade, como o regime político, o aborto ou a pena de morte. Os Estados Unidos aproveitam as eleições gerais para fazer o eleitor se posicionar em vários referendos locais, o que torna a discussão mais pertinente, mais real, embora não menos politizada e ideológica. No Brasil de dimensões continentais, um referendo (ou plebiscito) nacional aparece sempre como uma abstração. O que pode significar para o caboclo do Pará a diferença entre parlamentarismo e presidencialismo?

Acrescente-se a isso tudo a atual crise política e moral, o descrédito generalizado nas instituições públicas, em especial na polícia, e a manifesta ineficácia das políticas de segurança nos três níveis de governo e está preparado o caldo cultural em que o “Não” surge como uma resposta quase inevitável enquanto o “Sim” aparece como um devaneio de artistas e intelectuais, naquilo que parece ser sua “louca ingenuidade”.



Escrito por SALSFI às 10h12
[] [envie esta mensagem]


 
   I VITELLONI

[30/OUT/2005]



Escrito por SALSFI às 09h43
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO
 11/09/2016 a 17/09/2016
 06/09/2015 a 12/09/2015
 18/01/2015 a 24/01/2015
 09/11/2014 a 15/11/2014
 26/10/2014 a 01/11/2014
 15/06/2014 a 21/06/2014
 06/04/2014 a 12/04/2014
 02/02/2014 a 08/02/2014
 13/10/2013 a 19/10/2013
 12/05/2013 a 18/05/2013
 21/04/2013 a 27/04/2013
 10/03/2013 a 16/03/2013
 10/02/2013 a 16/02/2013
 25/11/2012 a 01/12/2012
 29/07/2012 a 04/08/2012
 22/07/2012 a 28/07/2012
 08/04/2012 a 14/04/2012
 29/01/2012 a 04/02/2012
 11/09/2011 a 17/09/2011
 04/09/2011 a 10/09/2011
 28/08/2011 a 03/09/2011
 24/07/2011 a 30/07/2011
 10/07/2011 a 16/07/2011
 03/07/2011 a 09/07/2011
 29/05/2011 a 04/06/2011
 08/05/2011 a 14/05/2011
 17/04/2011 a 23/04/2011
 03/04/2011 a 09/04/2011
 27/03/2011 a 02/04/2011
 13/03/2011 a 19/03/2011
 06/03/2011 a 12/03/2011
 20/02/2011 a 26/02/2011
 06/02/2011 a 12/02/2011
 19/12/2010 a 25/12/2010
 05/12/2010 a 11/12/2010
 31/10/2010 a 06/11/2010
 12/09/2010 a 18/09/2010
 22/08/2010 a 28/08/2010
 01/08/2010 a 07/08/2010
 04/07/2010 a 10/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 02/05/2010 a 08/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 11/04/2010 a 17/04/2010
 04/04/2010 a 10/04/2010
 28/03/2010 a 03/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 14/03/2010 a 20/03/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 24/01/2010 a 30/01/2010
 22/11/2009 a 28/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 11/10/2009 a 17/10/2009
 06/09/2009 a 12/09/2009
 30/08/2009 a 05/09/2009
 23/08/2009 a 29/08/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 19/04/2009 a 25/04/2009
 22/03/2009 a 28/03/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 01/03/2009 a 07/03/2009
 22/02/2009 a 28/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 18/01/2009 a 24/01/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 28/12/2008 a 03/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 12/10/2008 a 18/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 24/08/2008 a 30/08/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 03/08/2008 a 09/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 15/06/2008 a 21/06/2008
 08/06/2008 a 14/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/03/2008 a 05/04/2008
 23/03/2008 a 29/03/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 09/03/2008 a 15/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 17/02/2008 a 23/02/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 20/01/2008 a 26/01/2008
 13/01/2008 a 19/01/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 30/12/2007 a 05/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 18/11/2007 a 24/11/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 28/10/2007 a 03/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 14/10/2007 a 20/10/2007
 07/10/2007 a 13/10/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 12/08/2007 a 18/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 24/06/2007 a 30/06/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 06/05/2007 a 12/05/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006
 08/10/2006 a 14/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 17/09/2006 a 23/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 03/09/2006 a 09/09/2006
 27/08/2006 a 02/09/2006
 20/08/2006 a 26/08/2006
 13/08/2006 a 19/08/2006
 30/07/2006 a 05/08/2006
 16/07/2006 a 22/07/2006
 25/06/2006 a 01/07/2006
 18/06/2006 a 24/06/2006
 11/06/2006 a 17/06/2006
 04/06/2006 a 10/06/2006
 28/05/2006 a 03/06/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 07/05/2006 a 13/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 19/06/2005 a 25/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 06/02/2005 a 12/02/2005
 23/01/2005 a 29/01/2005
 16/01/2005 a 22/01/2005
 19/12/2004 a 25/12/2004
 28/11/2004 a 04/12/2004
 21/11/2004 a 27/11/2004
 14/11/2004 a 20/11/2004
 07/11/2004 a 13/11/2004
 31/10/2004 a 06/11/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004



OUTROS SITES
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 ARTIGOS ECONÔMICOS
 CRÔNICAS E ARTIGOS


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!